top of page

Folia pandêmica

Carnaval sem Momo

mesmice imposta

pior que tudo

- sabe-se como

à alegria

mascarados são diferentes

ao menos nas máscaras

encobrindo rostos

escondidas intenções

mal dissecadas

desérticas almas desalmadas

e o desgosto

armando propósitos

objetivos interesses

a custo alto

muito alto

arquitetados


não é banda

o que passa

à janela

quando muito a

ambulância estridente

o terror com os seus traços

braços dados à

ignorância

o mal feito

e subseres humanos

subservientes


em desfile funéreo

permanente

não sai às ruas

o bloco tão esperado

é bloqueado o dizer

do inconfidente

surdo fica o tambor

bem ritmado

algo sem ritmo

algoritmo do silêncio

cúmplice e sócio

assoberbado


alas não há

escolas são fechadas

estandartes que de amor

não são

proclamam roucas cuícas

trágica maldição

certo rufar acompanha

um abre-covas

sem comissão de frente

alegóricas mensagens

maus augúrios

enquanto no peito

o coração bate

todo dia menos forte

onde futuros

como fazê-los

diferentes

se o desfile

acabará em

morte?






3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desperdício

José Seráfico Não se admirem se alguém disser que isso é normal nem se surpreendam com a indiferença diante de tanto mal o que se tem feito à infância às velhas e velhos às mulheres aos negros promoçã

Quando e onde

Quantos serão os mortos? Onde explodirá a próxima bomba? Quando? Quantos se juntarão às centenas de milhares o vírus armado de natural letalidade cumprindo parte da tarefa a que outros (vírus ou verme

Porvir anunciado

Quero comer todo dia sonho com vida feliz o direito de sorrir é isso o que o povo diz e vê no que está por vir quando janeiro surgir De Porto Alegre, Florianópolis, dos Pampas, de Curitiba do Acre e d

Comentarios


bottom of page