Folia pandêmica

Carnaval sem Momo

mesmice imposta

pior que tudo

- sabe-se como

à alegria

mascarados são diferentes

ao menos nas máscaras

encobrindo rostos

escondidas intenções

mal dissecadas

desérticas almas desalmadas

e o desgosto

armando propósitos

objetivos interesses

a custo alto

muito alto

arquitetados


não é banda

o que passa

à janela

quando muito a

ambulância estridente

o terror com os seus traços

braços dados à

ignorância

o mal feito

e subseres humanos

subservientes


em desfile funéreo

permanente

não sai às ruas

o bloco tão esperado

é bloqueado o dizer

do inconfidente

surdo fica o tambor

bem ritmado

algo sem ritmo

algoritmo do silêncio

cúmplice e sócio

assoberbado


alas não há

escolas são fechadas

estandartes que de amor

não são

proclamam roucas cuícas

trágica maldição

certo rufar acompanha

um abre-covas

sem comissão de frente

alegóricas mensagens

maus augúrios

enquanto no peito

o coração bate

todo dia menos forte

onde futuros

como fazê-los

diferentes

se o desfile

acabará em

morte?






3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Gostos e gestos infernais

Há-de gratificar multidão em rebanho transformado transfornada aos gritos “mito, mito, mito!” o grotesco da cena os convivas abutres distraídos carniça facilmente conquistada nos pratos postos dispens

Uma só vez, por favor!

Se não fores ser narcísico em seu próprio umbigo amarrado ouvires ecos terríveis sons pelas lúgubres cordas da morte entoados tiveres olhos lágrimas vertidas frente a milhares de corpos violados tuas

Prêmio fatal - covidados

Nem todos são convidados para o banquete. Às bodas de Canaã onde a água se fez vinho foram apenas os escolhidos. Talvez único a furar a festa um andarilho que fazia milagres. Água transformada em vinh

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.