Folia pandêmica

Carnaval sem Momo

mesmice imposta

pior que tudo

- sabe-se como

à alegria

mascarados são diferentes

ao menos nas máscaras

encobrindo rostos

escondidas intenções

mal dissecadas

desérticas almas desalmadas

e o desgosto

armando propósitos

objetivos interesses

a custo alto

muito alto

arquitetados


não é banda

o que passa

à janela

quando muito a

ambulância estridente

o terror com os seus traços

braços dados à

ignorância

o mal feito

e subseres humanos

subservientes


em desfile funéreo

permanente

não sai às ruas

o bloco tão esperado

é bloqueado o dizer

do inconfidente

surdo fica o tambor

bem ritmado

algo sem ritmo

algoritmo do silêncio

cúmplice e sócio

assoberbado


alas não há

escolas são fechadas

estandartes que de amor

não são

proclamam roucas cuícas

trágica maldição

certo rufar acompanha

um abre-covas

sem comissão de frente

alegóricas mensagens

maus augúrios

enquanto no peito

o coração bate

todo dia menos forte

onde futuros

como fazê-los

diferentes

se o desfile

acabará em

morte?






3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Trágico trajeto

Apto e alto vírus insistente na caminhada fatal em caminho nada alvissareiro insensível a todo toque exceção apenas dos clarins percorre espaço indefeso acuada a gente entre o Oiapoque Copacabana, Rio

Coroas, coronas, ...

Então um ser não-sendo tornou-o esquecido desdenhado qual sapato velho amarelada a festa colorida a vida o sangue do mais rubro vermelho Sequer a manjedoura pobre digna onde mirra incenso ouro sempre

Dobras da História

Dobram os sinos da igreja o suor do sineiro exalando vida, esperança no céu-mundo espalhada vontade de amor, paz bonança. Ramificam-se multiplicados abrangentes dor instante sofrimento pungente reduçã