Foco equivocado - ou não?

Aproximando-me de oito décadas de vida, pensava quase impossível surpreender-me com alguma coisa. A conduta de uma pessoa, uma decisão oficial, um monstro em nada parecido com os conhecidos e os que sabemos existirem nas melhores páginas da literatura universal - nada disso seria capaz de fazer-me surpreso. Qual nada! Mais eu viva, mais terei que aprender, como se todo dia fosse capaz de renascer. Nessas horas é que entendo em toda sua profundidade e inteireza a sentença de Sócrates: só sei que nada sei.

Não faz ainda meia hora ouvi em noticiário oficial o registro de deficit de mais de 300 mil vagas nas penitenciárias nacionais. Essa é a quantidade estimada, no país que ocupa a 3ª posição (triste posição!) no ranque da população carcerária. Antes da surpresa maior, o aperitivo se acompanha de certo ar triunfal: considerado o tamanho da população brasileira, ficamos pouco mais atrás na classificação. Como se 300 mil fosse número desprezível e o problema fosse menos que vergonhoso. Mais grave, porém, a informação que seguiu esse infame preâmbulo: um terço dos atuais encarcerados não foram julgados. O tom quase triunfal com que o assunto foi tratado, anunciava medidas que as autoridades dizem estar tomando, para garantir mais vagas nas prisões. Quem sabe a preocupação dos servidores postados na cúpula e adjacências do governo deveria dirigir-se à educação? Talvez isso assegurasse melhores resultados.

5 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De inoportuno a necessário

A polarização política chegou a um tal ponto que se torna difícil imagina-la desaparecer tão facilmente. É justo reconhecer que muito dela é devido ao estilo do atual Presidente da República, apostado

Na linha de tiro

Cresce a literatura sobre o infausto período histórico de que somos protagonistas e pacientes. Têm-se posto em questão fenômenos relacionados sobretudo à fragilização da democracia. Pouco a pouco, sen

Menu da babugem ou da xepa

Confesso minha dificuldade em atribuir algum adjetivo suficientemente justo para qualificar o desqualificado sinistro da Economia. Ele não é o único nesse governo a reunir desqualidades tão agressivas