Farenheit 451

Rondônia entra na rota da política do absurdo. Ou do aparente absurdo, dados os riscos de que dele decorre. Refiro-me à pretensão das autoridades educacionais daquele Estado, uma espécie de Farenheit à moda cabocla. É ao que equivale a tentativa de proibir a leitura de livros, esse monte de letras desnecessárias e prejudiciais ao amor à pátria, como diz(em) certa(s) autoridade(s). Talvez porque Nélson Rodrigues fosse um bandido esquerdista, como são todos os que não acreditam na Terra quadrada. Não devemnos esquecer, todavia, que todas as agressões à democracia sempre começaram por "equívocos", "rascunhos", em todos os casos, mentiras transformadas em verdade.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Amazônia sendo devastada, o Presidente vendendo gato por lebre no exterior e o vice-Presidente, investido das funções de xerife da Amazônia, só agora soube da devastação. Do círculo de ferro das fak

Segue em marcha batida o processo que tentará impedir a participação do Presidente e excluir o até agora imbatível ex-Presidente Lula das eleições de 2022. Os media já noticiam o interesse do centrão

Sinto envelhecer, quando: o casamento, no passado formador de famílias, passou a ser um organizador de quadrilhas; o desvio de dinheiro púbico era chamado desfalque, não comissionamento; o patriota e