Farenheit 451

Rondônia entra na rota da política do absurdo. Ou do aparente absurdo, dados os riscos de que dele decorre. Refiro-me à pretensão das autoridades educacionais daquele Estado, uma espécie de Farenheit à moda cabocla. É ao que equivale a tentativa de proibir a leitura de livros, esse monte de letras desnecessárias e prejudiciais ao amor à pátria, como diz(em) certa(s) autoridade(s). Talvez porque Nélson Rodrigues fosse um bandido esquerdista, como são todos os que não acreditam na Terra quadrada. Não devemnos esquecer, todavia, que todas as agressões à democracia sempre começaram por "equívocos", "rascunhos", em todos os casos, mentiras transformadas em verdade.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Motociata e negócio

Passeio de motocicletas com placas encobertas podem ser mais que motociatas. A mais recente, porque considerá-la a última é tolice, custou R$ 1,2 milhão aos contribuintes. O nome da aglomeração motori

Frases 129

A mentalidade anarquista do Presidente age para destruir e desmoralizar as instituições. Dita pelo General Luís Carlos Santos Cruz, ex-Secretário de Governo da Presidência da República. Integrante do

Outro artigo

Embora os artigos da Constituição Federal mereçam atenção maior, a leitura de outro artigo, mais uma vez postado em COMISSARIA, e escrito em 2000, é recomendada. O primeiro (Fujimori, o ídolo) aparece