Exceção

Aberto, este espaço abre hoje uma exceção. Não sendo tripulante desta humilde nau, Pedro Casaldáliga o foi de todas as que buscam um porto de Amor, Fraternidade e Paz. Há, ainda, a excepcionalidade, como ser humano e sacerdote que o autor do poema foi; pela contribuição dada por ele à libertação de povos amazônicos e pelo exemplo deixado. Como ele e as árvores, não morrerão, antes se reproduzirão os exemplos desse catalão que se fez mais brasileiro que muitos que se proclamam patriotas.

“Eu morrerei de pé como as árvores”, profetiza dom Pedro Casaldáliga. O poema Profecia Extrema está publicado no sítio espanhol Religión Digital, 09-12-2012. Eis o poema. Eu morrerei de pé como as árvores. Me matarão de pé. O sol, como testemunha maior, porá seu lacre sobre meu corpo duplamente ungido. E os rios e o mar serão caminho de todos meus desejos, enquanto a selva amada sacudirá, de júbilo, suas cúpulas. Eu direi a minhas palavras: - Não mentia ao gritar-vos. Deus dirá a meus amigos: - Certifico que viveu com vocês esperando este dia. De golpe, com a morte, minha vida se fará verdade. Por fim terei amado!

4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Sobre um artigo

Marcelo Seráfico O Leonardo Avritzer(1) põe o foco onde deve ser posto: nas similitudes entre nazismo e stalinismo. Pode não parecer nada, mas faz toda diferença analítica. O que está em causa não é o

Síntese

Marcelo Seráfico Sinteticamente: Bolsonaro reitera nas Nações Unidas as duas linhas de argumento fundantes de sua prática política. De um lado, a fuga do trato objetivo dos problemas vividos pelo paí

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.