Estranha polarização

Se dá para rir, também dá para chorar. Disse-o o extraordinário compositor Paulinho da Viola. Por isso, os adversários do Presidente Jair Bolsonaro experimentam insólita oportunidade de alimentar os dois sentimentos - a alegria e a tristeza, de mãos dadas, sem o ritmo e a graça que as cordas manipuladas pelo músico oferecem. Até recentemente, a polarização política opunha a direita à esquerda, como se fôssemos nação afeita à discussão produtiva que se espera correspondente à melhor forma democrática. Certo que massa amorfa, oportunista, desvinculada do sentimento coletivo embolou o campo político, inventando posição chamada de centro. Alargados, os interesses e a voracidade ganharam nome superlativo - centrão. Na bolsa de (anti)valores políticos, maior a polarização, mais aumenta a cotação. Dado importante neste momento, a definir nossas formas de conduzir o que chamamos democracia, a polarização se estabelece entre os dois mais visíveis candidatos no pleito presidencial de 2022. A campanha de ambos está nas ruas, nas páginas dos jornais, na tela dos televisores. Mais que tudo, na mente dos postulantes. É a direita contra a direita, reveladora de certa anestesia que parece acometer o que resta de esquerda, tanto a minoria realmente à esquerda, quanto os que assim se auto-proclamam. Mais uma vez, corre-se o risco de ver a Matemática triunfar sobre a Política, pois seis é o mesmo que meia dúzia. E, para não fugir à rotina, um cadáver sempre ajuda. Getúlio Vargas e Carlos Lacerda sabiam disso, conosco por testemunhas. Os postulantes, agora, já têm a servi-los mais de 150 mil deles.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Agonia

A jornalista Cristiane Pelajo, âncora do Jornal das 4, da Globonews, dramatizou o que pode. Ao abrir a edição da sexta-feira, 15-01-2021, fê-lo com extrema contundência: Manaus agoniza - disse ela, co

Golpe e golpes

Dentre as muitas inovações introduzidas na sociedade na primeira década deste milênio, destacam-se ações e práticas políticas. Num dos temas, o golpe de Estado, observa-se a ilimitada criatividade dos

Maduro e os podres

Nicolas Maduro, Presidente da Venezuela, tem lá seus podres. Como os têm quase todos os que, semelhantes a ele, praticam certa forma de democracia difícil de engolir como tal. Assemelhando-se à boa pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.