Esperando com esperança*

Em casa esperando com esperança. Um exílio incomum, um contraste. Que vá embora o mal e dessarte. Voltem as festas e a confiança. O mal de preto com foice na mão, anda perto. Encosta, sente e mede as fraquezas. Não importa o saber e riquezas. Na aleatória escolha leva o que acha certo. Não temos uma arma, um medicamento. O mal pegou-nos de surpresa. Agora na espera de um momento. Aos heróis da saúde a firmeza. A esperança do conhecimento. Um remédio e a volta da gentileza.

_________________________________________________________________________________ * Ruy da Fonseca, engenheiro, professor universitário, poeta.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Refiro-me aos valores imprescindíveis para construção de uma sociedade fraterna, solidária e justa. Não tem sido fácil a construção da nossa humanidade. Continuamos cedendo à barbárie e aquilo chamado