Eleições e saúde

Não sou dos que condenam, sem avaliação criteriosa, a periodicidade das eleições. Nem o financiamento público delas. Acho que a manutenção e a consolidação da democracia têm custos. Mais: que não devem ser pagos com qualquer centavo privado. Muito menos apoio a crítica às eleições bienais. Israel, por exemplo, tem feito eleições sucessivas, sem que isso escandalize os adversários da manifestação popular. A situação que enfrentamos hoje, porém, aconselha pensar em alternativas que nunca foram avaliadas. Doença nova, remédio novo. O adiamento da próxima eleição municipal já foi cogitado. A prorrogação dos atuais mandatos de prefeitos e vereadores e a coincidência com a eleição presidencial seriam consequências lógicas. Então, a dinheirama economizada nos dois próximos exercícios poderia ser aplicada no reforço aos programas de saúde. O SUS precisa ser fortalecido. Antes que o desmonte avance.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ficaram todos... e mais alguns

A rendição do Presidente da República ao centrão diz mais do que aparenta. A rigor, pode ser até que não se trate de rendição, mas o exercício de uma vocação. As alegações do Presidente, à guisa de ju

Laboratório da barbárie

Leio nos jornais as despesas que o governo do Estado do Amazonas fará para, por sua alegação, oferecer maior segurança à população. Pelo que entendi, haverá investimento pesado em armas e meios de loc

Nossos números, nossa tragédia

O desempenho do Sistema Único de Saúde – SUS tenta tornar menor a tragédia desencadeada pela pandemia, e logo abraçada como objetivo de governo. Nem por isso cessou a campanha contra o serviço público