Eleições e saúde

Não sou dos que condenam, sem avaliação criteriosa, a periodicidade das eleições. Nem o financiamento público delas. Acho que a manutenção e a consolidação da democracia têm custos. Mais: que não devem ser pagos com qualquer centavo privado. Muito menos apoio a crítica às eleições bienais. Israel, por exemplo, tem feito eleições sucessivas, sem que isso escandalize os adversários da manifestação popular. A situação que enfrentamos hoje, porém, aconselha pensar em alternativas que nunca foram avaliadas. Doença nova, remédio novo. O adiamento da próxima eleição municipal já foi cogitado. A prorrogação dos atuais mandatos de prefeitos e vereadores e a coincidência com a eleição presidencial seriam consequências lógicas. Então, a dinheirama economizada nos dois próximos exercícios poderia ser aplicada no reforço aos programas de saúde. O SUS precisa ser fortalecido. Antes que o desmonte avance.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

E la nave...va

Aproximo-me dos oitenta e não cessa o permanente e intenso aprendizado a que me entrego, minuto após minuto, segundo após segundo, exercício como tudo o que é humano, contraditório. As lições aprendid

O deficit verdadeiro

Crer, seja no que for, parece necessidade imperiosa. As pessoas defrontam-se ao longo da vida com tantos desafios, que não têm como fugir. Movidas ora pelo desejo de compreender o mundo à sua volta; o

Sem desmentido

Recorro mais uma vez à sabedoria popular: dize-me com quem andas, dir-te-ei quem és. Isso não autoriza romper laços com pessoas de quem discordamos, seja qual for o móvel da discordância. Virtude maio