Eleição na Universidade

Preparamo-nos para mais uma eleição no ambiente universitário. Desta vez, está em jogo a entidade representativa dos professores e pesquisadores, o Sindicato nacional (ANDES)e seus braços locais, as associações. No Amazonas, a ADUA. Com mais de 40 anos de funcionamento, nossa entidade acumula expressivas conquistas, sobretudo pelo compromisso assumido desde seu primeiro Presidente, Professor Randolpho de Souza Bittencourt, com a autonomia acadêmica e o profundo vínculo com a democracia. Tão fortes essas características se apresentam desde a fundação, que só breves períodos administrativos registraram tímido recuo ou menor interesse pela causa comum. Não faltou sequer a tentativa de imobilizar a comunidade acadêmica, com a maliciosa criação de central trabalhadora alternativa, manipulada pelo governo. Mesmo dentre os divergentes da orientação vinda dos momentos épicos (com perdão da licença poética) da ADUA, não arrefeceu na entidade o compromisso com as melhores causas, e não só as dos associados, mas as de toda a sociedade. Porque me incluo dentre os fundadores e – sobretudo por isso – por ter acompanhado as 4 décadas de existência da ADUA, votarei na chapa 1. Ela reúne bom número dos professores mais comprometidos com a defesa da autonomia da Universidade e do papel social que cumpre à instituição realizar. Mesmo os que, distantes algumas vezes da causa comum, e até divergentes da orientação da entidade, a despeito de serem beneficiados pelas conquistas, hão de reconhecer este fato. E votarão na chapa 1, porque a honestidade intelectual será maior que eventuais divergências.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as