Eleição na Universidade

Preparamo-nos para mais uma eleição no ambiente universitário. Desta vez, está em jogo a entidade representativa dos professores e pesquisadores, o Sindicato nacional (ANDES)e seus braços locais, as associações. No Amazonas, a ADUA. Com mais de 40 anos de funcionamento, nossa entidade acumula expressivas conquistas, sobretudo pelo compromisso assumido desde seu primeiro Presidente, Professor Randolpho de Souza Bittencourt, com a autonomia acadêmica e o profundo vínculo com a democracia. Tão fortes essas características se apresentam desde a fundação, que só breves períodos administrativos registraram tímido recuo ou menor interesse pela causa comum. Não faltou sequer a tentativa de imobilizar a comunidade acadêmica, com a maliciosa criação de central trabalhadora alternativa, manipulada pelo governo. Mesmo dentre os divergentes da orientação vinda dos momentos épicos (com perdão da licença poética) da ADUA, não arrefeceu na entidade o compromisso com as melhores causas, e não só as dos associados, mas as de toda a sociedade. Porque me incluo dentre os fundadores e – sobretudo por isso – por ter acompanhado as 4 décadas de existência da ADUA, votarei na chapa 1. Ela reúne bom número dos professores mais comprometidos com a defesa da autonomia da Universidade e do papel social que cumpre à instituição realizar. Mesmo os que, distantes algumas vezes da causa comum, e até divergentes da orientação da entidade, a despeito de serem beneficiados pelas conquistas, hão de reconhecer este fato. E votarão na chapa 1, porque a honestidade intelectual será maior que eventuais divergências.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Eclética e enciclopédica

Dita por um professor de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro soube de frase bem-humorada que me parece definitiva. Disse ele sobre certo colega vaidoso, enfatuado e verborrágico: a igno

Flor que não se cheira

Qualquer que seja, não é o tamanho do mico que faz a diferença. Ao mesmo tempo em que o pagamos, esforçamo-nos por imitar exemplos vindos de fora, em geral os piores. Se cultivamos a síndrome de Estoc

Vassalagem e desarmonia

Dizer que a democracia passa por processo de fragilização em todo o Mundo equivale a reconhecer o caráter pandêmico da covid-19. Ambas as constatações descrevem o cenário, sem que isso venha servindo

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.