Eleição na Universidade


Preparamo-nos para mais uma eleição no ambiente universitário. Desta vez, está em jogo a entidade representativa dos professores e pesquisadores, o Sindicato nacional (ANDES)e seus braços locais, as associações. No Amazonas, a ADUA. Com mais de 40 anos de funcionamento, nossa entidade acumula expressivas conquistas, sobretudo pelo compromisso assumido desde seu primeiro Presidente, Professor Randolpho de Souza Bittencourt, com a autonomia acadêmica e o profundo vínculo com a democracia. Tão fortes essas características se apresentam desde a fundação, que só breves períodos administrativos registraram tímido recuo ou menor interesse pela causa comum. Não faltou sequer a tentativa de imobilizar a comunidade acadêmica, com a maliciosa criação de central trabalhadora alternativa, manipulada pelo governo. Mesmo dentre os divergentes da orientação vinda dos momentos épicos (com perdão da licença poética) da ADUA, não arrefeceu na entidade o compromisso com as melhores causas, e não só as dos associados, mas as de toda a sociedade. Porque me incluo dentre os fundadores e – sobretudo por isso – por ter acompanhado as 4 décadas de existência da ADUA, votarei na chapa 1. Ela reúne bom número dos professores mais comprometidos com a defesa da autonomia da Universidade e do papel social que cumpre à instituição realizar. Mesmo os que, distantes algumas vezes da causa comum e até divergentes da orientação da entidade, a despeito de serem beneficiados pelas conquistas, hão de reconhecer este fato. E votarão na chapa 1, porque a honestidade intelectual será maior que eventuais divergências.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como faria Rondon ?

Dê-se o nome que se quiser dar, não muda a natureza do crime de que estão ameaçados grupos indígenas do interior do Amazonas. O propósito de exterminá-los está em todos os órgãos dos media, elucidativ

Frustrações democráticas

Na marcha batida em direção ao passado, sendo buscada a ordem contra os mais fracos e o progresso andando para trás, tenta-se configurar o Brasil como uma pátria armada. Ponham-se armas nas mãos de to

A nova política

Admita-se o voto em alguém absolutamente despreparado para exercer o cargo a que aspira. Afinal, a todos deve ser dada a oportunidade de buscar o que lhe pareça melhor, até mesmo do ponto de vista mer