Educação e privadas

Dois deputados federais do Amazonas destoaram dos colegas e se opuseram à entrega de polpuda parcela do FUNDEB às privadas. Refiro-me às empresas de educação travestidas de filantrópicas, que disputam com as instituições educacionais públicas recursos destinados ao setor. Ricardo Weddling e Bosco Saraiva desta vez se negaram a juntar seu voto ao dos advogados ou sócios dos grupos empresariais com assento no Congresso Nacional. O discurso de quase (sim, é possível encontrar exceções nisso também) todos denuncia a péssima qualidade da educação oficial, ao mesmo tempo em que assiste impassível, quando não intercedendo diretamente no processo, ao exponencial crescimento do patrimônio desses afortunados grupos. O Senado registrou o mais recente episódio dessa tragicomédia, com o recuo á proposta original, que não incluía as privadas dentre os destinatários da dinheirama. A decisão dos senadores será mais uma vez apreciada pela Câmara. Naquele plenário, anteriormente e talvez por um ato falho, chamada Câmara Baixa, será tomada a decisão final. Se, novamente os deputados contrastarem a decisão do Senado, justificarão a volta ao velho nome. Será um (mais um, na verdade) golpe baixo contra a educação brasileira..



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sobrecarga de trabalho

Imagino a sobrecarga de trabalho a que serão submetidos os servidores do Ministério das Relações Exteriores. Mais avancem as investigações da CPI da covid-19, mais será necessário reter passaportes. N

Confusão tola

As novas tecnologias da informação que na percepção de Marshall Mac-Luhan transformaram o mundo em uma aldeia global, nem sempre têm sido vistas com a seriedade necessária. Talvez aí esteja uma das ra

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu