Economia e vida

Desigualdade, taxação de grandes fortunas, inflação parecem palavras canceladas dos dicionários. Os especialistas e os curiosos – esses, então...! – raramente as mencionam em suas lições de rastejante economia. Muitos, buscando arrimo nas análises e interpretações fartamente disseminadas nas redes (anti)sociais. Nada mais que a substituição do esforço científico pelas fake-news. Mesmo jornalistas até pouco tempo considerados criteriosos têm optado por engrossar o coro e a voracidade do andar de cima, com permissão de Élio Gaspari. A compensação para esse tipo de desonestidade intelectual é a lição oferecida por essa grei aos deficientes físicos. Destes, os cegos não veem nada, em consequência de fato independente de suas vontades. Têm, contudo, sensibilidade que os torna videntes. Aos surdos assiste a linguagem de sinais, tão eficiente como as outras formas de expressão, na propagação da mentira. Se os deficientes auditivos não ouvem e se as mentiras não os conquistam, seus olhos podem ver com nitidez a realidade em torno. De qualquer maneira, os cegos e surdos por opção dão a todos nós uma lição – má lição, o que não nos impede de aprendermos algo.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como faria Rondon ?

Dê-se o nome que se quiser dar, não muda a natureza do crime de que estão ameaçados grupos indígenas do interior do Amazonas. O propósito de exterminá-los está em todos os órgãos dos media, elucidativ

Frustrações democráticas

Na marcha batida em direção ao passado, sendo buscada a ordem contra os mais fracos e o progresso andando para trás, tenta-se configurar o Brasil como uma pátria armada. Ponham-se armas nas mãos de to

A nova política

Admita-se o voto em alguém absolutamente despreparado para exercer o cargo a que aspira. Afinal, a todos deve ser dada a oportunidade de buscar o que lhe pareça melhor, até mesmo do ponto de vista mer