Dobras da História

Dobram os sinos da igreja

o suor do sineiro exalando

vida, esperança

no céu-mundo espalhada

vontade de amor, paz

bonança.


Ramificam-se multiplicados

abrangentes

dor instante sofrimento

pungente

redução de sonhos

e de quanta gente!


Em algum lugar

há-de haver

alvissareiro

tocar de dobrado

traiçoeiro

sorriso maroto

alegre o mensageiro

cova cavada para receber

primeiro

desfile que se vai

fazendo urgente

inaugura-o o

pai

avô foi antes

a mulher seguindo seus

não-passos

à espera da vez indesejada

quando então

faltará força a

qualquer dos braços.


Outras dobras

sem sinos

ou qualquer gota de suor

embora

alimenta sanha vil

de assassinos

a rir de todos

no salão na praça

no covil

proclamando chegada

inevitável hora.


Manaus, 21-03-2021, domingo quase-de ramos

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Da morte e dos seus tipos As cargas são diferentes talvez Caronte não o saiba nem saber lhe interessa não faltarão valquírias sedutoras à satisfação do Cérbero faminto Jet-sky não transporta cadáveres

Permanecem no ar ruídos e sentimentos deixados na cara de um negro sobre tapetes vermelhos tingidos da cor por pouco não liberada de um rosto agredido uma piada mal posta sendo a luva que armou a mão

Ah, não fosse dado ao homem viver tanto... se não tivesse olhar atento sempre pronto não veria desfilar diante de seus olhos quanta coisa a doer na alma ferir o corpo machucá-lo dispensável pranto enq