DO SENTIR E DA FALTA DE PALAVRAS DE SENTIR

Não sou um escritor, nem tenho a alma de poeta. Sou apenas um cidadão que escreve o que pensa e o que sente. Tem vezes que não consigo sequer fazer isso, pois me faltam as palavras de sentir.

Cresci na luta política e neste campo o verbo é de lutar. Ainda tinha 14 anos quando deixei a bolinha de gude e o papagaio para descobrir o mundo. Não sei se fiz certo. Se tivesse continuado com a verve das crianças não teria deixado a angústia dominar minha existência. O mundo é uma realidade muito dolorosa e a vida se torna uma célula solitária quando a descoberta vem acompanhada de sofrimento.

Não faço da escrita uma catarse. Também não compartilho tristeza, pois cada um tem a sua e dela não se livra.

Escrever se tornou um instrumento de luta. O discurso é uma praxis. E com isso construo minha vida.

Mas não basta. É preciso coexistir com corpos vivos. Partir pra luta em campo aberto. Dar as mãos, erguer os punhos, gritar, gritar o grito da revolta e do descaminho. Sim, do descaminho, pois não me basta o jeito solitário de caminhar.

Vejo nossa floresta queimar, com fogo aceso pela maldade e pela ganância. E não tenho as palavras que expressem minha total angústia. Não aprendi a escrever as palavras de sentir.

Me deparo todos os dias com seres ruins e me dói saber que não emergiram das trevas. Estavam apenas escondidos na caverna ao lado, esperando a hora para sair das suas metáforas e partir para a antropofagia. E as palavras de sentir me faltam novamente. Não consigo descrever o medo que tenho de perder a esperança.

Mas tem uma coisa que me faz gente boa todo dia.

Ao acordar vejo minha filha, lembro da outra filha com olhos marejados de amor e sei que não estou sozinho, tenho amigos e amigas que me acompanham naquele sentir sem palavras, mas cheio de gesto de solidariedade.

Lúcio Carril

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A CLASSE MÉDIA NÃO VAI AO PARAÍSO

Transito entre pessoas da minha classe e da classe média. Reconheço de longe a simplicidade de um trabalhador, que ao amanhecer, com mochila nas costas, caminha ao ponto do ônibus e fala com seu coleg

Paleta Poética*

poesia é imagem emoldurada pintada na tela da razão com as brilhantes cores da paleta da vida em nuances vivas de emoção pintura diáfana do que os olhos não veem registro relutante do tempo que não pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.