Dia da caça

Melancólico é o mínimo que se pode dizer do lançamento do livro de Rodrigo Janot, o ex-todo-poderoso Procurador-Chefe do Ministério Público Federal. Dos 550 exemplares que a Livraria da Vila imaginou vender na noite de autógrafos, apenas 43 foram os leitores que os compraram. Dos 15 que o autor deixou autografados, até a manhã desta quarta-feira registravam o saldo de 11.exemplares. O homem procurou sarna - e se coçou. Em passado ainda lembrado, todos tinham curiosidade pela lista de Janot. Nela estavam os nomes dos "bandidos" do outro lado. A lista expandiu-se e nada mais pode surpreender os incautos. Nem mesmo estes. A lista que interessa, agora, é a dos compradores do "Nada menos que tudo". Meu pai dizia: o prato é bom para quem o come, não para quem o faz.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Sem mato e sem cachorro

Cassar sempre será mais fácil que caçar. Nesta, precisa-se ter cachorro (à falta dele, gato serve). Na outra, o verbo substitui com vantagem o substantivo: matar é diferente de manter a mata. O cão ne

Triste destino

Se não podes contra o poderoso alia-te a ele. Esse o roteiro seguido pelo ex-senhor da Lava Jato, desmoronado muito antes do que imaginaria a mais criativa mente. Não dando certo a fundação urdida com

Pandemia e endemia

Faz poucos dias, adverti para os resultados então incertos do segundo turno. Considerava àquela altura sem fundamento o triunfalismo de qualquer das forças em disputa. Também buscava conter a tendênci

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.