Desmonte do estado e ignorância

Não é de hoje que afirmo ser possível descartar servidores públicos que não cumprem seus deveres funcionais. Disso trata o período de estágio probatório, e não é de hoje. Os chefes fogem à responsabilidade de seu cargo e aprovam todos os servidores, sem lhes avaliar o desempenho. A Constituição de 1988 ratificou essa exigência. Só que, até agora, os dispositivos constitucionais não foram regulamentados. Daí é que vêm os números relativos à exoneração de servidores públicos federais: dos 7.766 mandados para casa, 65% praticaram corrupção; 25% foram excluídos por abandono do emprego, falta de assiduidade e acumulação de cargos. Divulgar que não existe base legal para exonerar e demitir é, simplesmente, mentir. E esconder do contribuinte e cidadão os verdadeiros responsáveis, merecedores da defenestração mais que os outros.

6 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

A Amazônia sendo devastada, o Presidente vendendo gato por lebre no exterior e o vice-Presidente, investido das funções de xerife da Amazônia, só agora soube da devastação. Do círculo de ferro das fak

Segue em marcha batida o processo que tentará impedir a participação do Presidente e excluir o até agora imbatível ex-Presidente Lula das eleições de 2022. Os media já noticiam o interesse do centrão

Sinto envelhecer, quando: o casamento, no passado formador de famílias, passou a ser um organizador de quadrilhas; o desvio de dinheiro púbico era chamado desfalque, não comissionamento; o patriota e