Desencanto e vacina


A ilegítima e inglória disputa entre o engomadinho governador de São Paulo e o ex-capitão Jair Messias Bolsonaro joga para segundo plano o problema principal. Logo alcançaremos a impressionante cifra – 180.000 mortos – sem que um gesto das autoridades federais cause impacto favorável na população. Ao contrário, a cada novo pronunciamento, outra razão para o desespero. Não seria despropositado imaginar o aparente descaso e a manifesta negligência de grande parte da população em relação às recomendações das autoridades sanitárias, revelação do desânimo e da desistência por viver. Talvez isso, mais que outras razões e especulações demoradas, explique a verdadeira aventura dos que buscam o contágio sob mil pretextos. Imitação dos gestos - e fim - de Stephan Zweig e Flávio Migliaccio. Getúlio Vargas, também.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

À tripa forra

Romero Brito, artista plástico residente em Miami, e Eri Johnson, ator, encheram o bucho (para usar a linguagem corrente no local), no almoço das mães, no Palácio Alvorada. Desde o alvorecer, carne as

Adiamento

A live de lançamento do livro O Festival da Canção de Parintins, narrativas dos compositores: História, Memória e Identidades (1985-2021), foi adiada. Não foi, nem será realizada hoje, 8 de maio. Logo