Debandada

Está no Aurélio. Debandada: fuga desordenada; desarranjo, mistura, confusão, desarrumação. Esse cenário há muito denunciado pelos que têm olhos de ver e informações, mínimas que sejam, da realidade nacional, foi descrito dessa maneira, pelo sinistro da Economia, Paulo Guedes. Deu-me a impressão de que as bombas do posto Ypiranga que resolveria todos os problemas econômicos brasileiros e alguns mais não suportaram o calor ambiente. Explodiram, com alarido maior que o desmanche do Estado brasileiro e tudo o mais que é sólido. Confusão, desarranjo, desarrumação puseram em fuga dois acólitos do sinistro, sem que sua trágica e impatriótica missão fosse cumprida. Ainda bem! A competência que se pretendeu atribuir ao ex-aluno de Chicago tropeça nos próprios pés do incensado resolvedor de todas as questões. Do que se pode concluir, de início, ser necessária alguma dose de competência, mesmo se é ao mal que se destina o seu uso. Em nenhum momento a suposta capacitação de Guedes ficou provada, sequer minimamente insinuada. Desde o conhecimento das funções do Estado distribuídas entre os órgãos da administração pública, até a sensibilidade para identificar quais as reais necessidades da população. A equipe parece-me digna do que a compôs. Salim Mattar, o titular da Secretaria Especial de Privatização informa-se ter origem no mercado imobiliário. A passagem pelo posto talvez lhe tenha ensinado as diferenças entre vender um apartamento e entregar à sanha do mercado o patrimônio de todo um povo. O outro, Paulo Uebel, da Desburocratização, não conseguiu sequer evitar as críticas dos seus companheiros de jornada: não faltam queixas dos empresários de todo e qualquer porte, às dificuldades para abrir empresas, operar com financiamentos e operações financeiras de ordem geral e fechar empresas. Não demorará o dia em que o ex-chefe de Uebel e Mattar empreenderá a mesma caminhada. O próprio padrinho, ponte entre o banqueiro ao qual foi dado o cofre público para guardar e o Presidente já deu a senha. E assim se desfará o bando a que Guedes, preciso mas desatento com seu entorno, afirmou: uma debandada, mesmo!

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como faria Rondon ?

Dê-se o nome que se quiser dar, não muda a natureza do crime de que estão ameaçados grupos indígenas do interior do Amazonas. O propósito de exterminá-los está em todos os órgãos dos media, elucidativ

Frustrações democráticas

Na marcha batida em direção ao passado, sendo buscada a ordem contra os mais fracos e o progresso andando para trás, tenta-se configurar o Brasil como uma pátria armada. Ponham-se armas nas mãos de to

A nova política

Admita-se o voto em alguém absolutamente despreparado para exercer o cargo a que aspira. Afinal, a todos deve ser dada a oportunidade de buscar o que lhe pareça melhor, até mesmo do ponto de vista mer