De trivela

Prometendo matar no peito, o então aspirante à cadeira no Supremo Tribunal Federal Luís Fux atingiu seu objetivo. Ele não estava se referindo às habilidades futebolísticas, mas a outro tipo de habilidades, desta vez relacionadas às ilicitudes que forçam a porta dos tribunais. Como o guri da canção de Chico Buarque, ele chegou lá. E, mais, conseguiu presentear a própria filha com uma cadeira no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Inverteu, assim, a ordem dos fatores revelada na mesma canção. E ofereceu à filha mais que um colar, documentos de identidade e alguns trocados, presentes que a personagem de Chico deu à favelada de sua canção. Incansável, Fux preparou-se para assumir a Presidência do STF, cuja supremacia vem-se esfarelando, desde que o notório saber e a conduta ilibada foram postas para escanteio. Ou, sendo mais generoso, pela linha lateral. A dúvida agora está por conta do que será a gestão de Luís Fux, ontem empossado. Não se descarta a tentação de, mantendo a tradição de bom matador de bola, recebê-la e de trivela fazê-la perder-se na linha de fundo. A linha não é tão longe, assim...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se queres a paz, desarma-te!

Há mais de 17 séculos, o autor latino Publius Flavius Vegetius Renatus disse: si vis pax, para bellum. A isso corresponde o que modernamente chamamos paz romana. Nada mais, nada menos que a resolução

Ordem verbal

Os estudiosos da Psicologia são uns danados! Eles vão buscar no fundo mais profundo das pessoas a motivação de toda sorte de comportamento. Cada qual a seu modo e preferência, são eles os profissionai

O galho de cada um

Há quem diga não ser a vida mais que um espetáculo teatral, pelo que ela, apresentando-os, representa os sentimentos e inspirações que justificam a conduta dos membros da sociedade. Dizem os comportam

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.