De trivela

Prometendo matar no peito, o então aspirante à cadeira no Supremo Tribunal Federal Luís Fux atingiu seu objetivo. Ele não estava se referindo às habilidades futebolísticas, mas a outro tipo de habilidades, desta vez relacionadas às ilicitudes que forçam a porta dos tribunais. Como o guri da canção de Chico Buarque, ele chegou lá. E, mais, conseguiu presentear a própria filha com uma cadeira no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Inverteu, assim, a ordem dos fatores revelada na mesma canção. E ofereceu à filha mais que um colar, documentos de identidade e alguns trocados, presentes que a personagem de Chico deu à favelada de sua canção. Incansável, Fux preparou-se para assumir a Presidência do STF, cuja supremacia vem-se esfarelando, desde que o notório saber e a conduta ilibada foram postas para escanteio. Ou, sendo mais generoso, pela linha lateral. A dúvida agora está por conta do que será a gestão de Luís Fux, ontem empossado. Não se descarta a tentação de, mantendo a tradição de bom matador de bola, recebê-la e de trivela fazê-la perder-se na linha de fundo. A linha não é tão longe, assim...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vida engavetada

Já não constitui novidade para a maioria da população o desespero do Presidente da República e seu esforço para dificultar o funcionamento da CPI da covid-19. Nem se trata apenas de impedir o conhecim

O que é pior?

Chegamos à pole-position na corrida mortal disputada na pista da covid-19. Diferente de Rubinho Barrichello, a pilotagem de nosso carro tem encontrado êxito, fazendo-nos derrapar e ser ultrapassados p

Egoísmo no atacado

Manaus talvez tenha sido a primeira cidade a registrar uma das formas mais ignóbeis do egoísmo humano, nesta fase de pandemia. Aqui, pessoas desprovidas do menor senso de humanidade furaram a fila da

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.