Da metrópole

Rindo e chorando, chorando e rindo - vai-se vivendo. Ainda nem saiu da memória a cena ocorrida em cidade dos Estados Unidos da América do Norte, cena semelhante, apenas adaptada ao calor tropical, consuma-se em Porto Alegre. O céu é outro, a temperatura também. Protagonistas e vítima, porém, se equivalem: agentes de segurança no papel principal ; um negro, premido por asfixiante joelho, no outro. Lá, se chama racismo, aqui, ação de um imbecil. No dizer de uma pessoa de cor igual à de João Alberto Silveira Freitas - esse o nome da vítima brasileira. Diziam os romanos estar no nome o destino. Não será tão fortuito o nome do Presidente da Fundação Palmares. Como não o é o exemplo seguido da metrópole.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comício em CPI

A cara de pau é tamanha, que até um orador de comício eleitoral critica a politização da CPI da covid-19, ao mesmo tempo em que discursa como se estivesse em campanha. Com mandato outorgado pelos elei

Segurança alimentar

Há quantos dias o amigo leitor não sente o gosto da carne? Qual será o alimento posto no prato dos que, fora dos 116,8 milhões de brasileiros, ainda têm pratos – e o que pôr neles? Quem sabe, mais uma

Hoje, amanhã...sempre*

Das mães não deveria ser apenas este dia domingo que sucede sábado nada diferente a não ser daquele - uma e quantas mais vezes - saudado pelo poetinha então não havia vírus embora as balas já fizessem