Da metrópole

Rindo e chorando, chorando e rindo - vai-se vivendo. Ainda nem saiu da memória a cena ocorrida em cidade dos Estados Unidos da América do Norte, cena semelhante, apenas adaptada ao calor tropical, consuma-se em Porto Alegre. O céu é outro, a temperatura também. Protagonistas e vítima, porém, se equivalem: agentes de segurança no papel principal ; um negro, premido por asfixiante joelho, no outro. Lá, se chama racismo, aqui, ação de um imbecil. No dizer de uma pessoa de cor igual à de João Alberto Silveira Freitas - esse o nome da vítima brasileira. Diziam os romanos estar no nome o destino. Não será tão fortuito o nome do Presidente da Fundação Palmares. Como não o é o exemplo seguido da metrópole.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sem Roma, nem Romano

Perde o Brasil um dos seus intelectuais mais lúcidos, com a morte do filósofo Roberto Romano. Professor da UNICAMP, Romano deixa a memória de um cidadão preocupado com a ética necessária às relações h

Reprise

Até que enfim, o mensalão petista entrou em cartaz. Trazido em reprise, com sede no Ministério da Saúde e sua logística, já tem divulgados até o nome dos beneficiários. Ricardo Barros, mencionado pelo

Pobres e ricos

Quem ainda tenha dúvidas sobre a insensibilidade das elites brasileiras, tente encontrar as declarações do dono das Lojas Riachuelo. Flávio Rocha, expoente do Partido chamado Republicanos, joga-se ago