Covid-19, quo vadis?


De repente

saído sabe-se lá de onde

um ser que dizem

não-ser

prostra-nos estupefatos

encolhidos abestalhados

frente à sua virulência

bestial

presas de nossa própria

liberdade

sentimo-nos reduzir

à nossa pobre

miserável insignificância

nossos olhos não conseguem

fugir à imagem

aterradora:

nos caixotes de madeira

a toque de caixa feitos

matéria que logo mais

será só pó

inerte inerme abatida

adiante

um a um dos combatentes

dá sua vida em troca

da vida de tantos

e faz menor nossa mísera

onipotência

dentro dos quatro paus

acomodam-se a arrogância

o preconceito a intolerância

de que valeu o suor dos outros

derramado

por aqueles corpos

espremidos

água e sal transformados

em riqueza

de que os vermes

sequer saberão

a diferença?

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Invisibilidade do mal

Ser invisível a separar pais de filhos marido de mulher irmãos de irmãos amigos e tantos quantos fingimos próximos e semelhantes junta-os todos na angústia e no medo de um amanhã que não se sabe tira

Arma invisível

O fato não surpreende a consciência não o permite tão conhecido o objetivo no máximo, tênue suspeita seríamos absorvidos por outro cogumelo como o foram os de Nagasaki e Hiroshima os despelados como a

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.