Covid-19, quo vadis?


De repente

saído sabe-se lá de onde

um ser que dizem

não-ser

prostra-nos estupefatos

encolhidos abestalhados

frente à sua virulência

bestial

presas de nossa própria

liberdade

sentimo-nos reduzir

à nossa pobre

miserável insignificância

nossos olhos não conseguem

fugir à imagem

aterradora:

nos caixotes de madeira

a toque de caixa feitos

matéria que logo mais

será só pó

inerte inerme abatida

adiante

um a um dos combatentes

dá sua vida em troca

da vida de tantos

e faz menor nossa mísera

onipotência

dentro dos quatro paus

acomodam-se a arrogância

o preconceito a intolerância

de que valeu o suor dos outros

derramado

por aqueles corpos

espremidos

água e sal transformados

em riqueza

de que os vermes

sequer saberão

a diferença?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Trágico trajeto

Apto e alto vírus insistente na caminhada fatal em caminho nada alvissareiro insensível a todo toque exceção apenas dos clarins percorre espaço indefeso acuada a gente entre o Oiapoque Copacabana, Rio

Coroas, coronas, ...

Então um ser não-sendo tornou-o esquecido desdenhado qual sapato velho amarelada a festa colorida a vida o sangue do mais rubro vermelho Sequer a manjedoura pobre digna onde mirra incenso ouro sempre

Dobras da História

Dobram os sinos da igreja o suor do sineiro exalando vida, esperança no céu-mundo espalhada vontade de amor, paz bonança. Ramificam-se multiplicados abrangentes dor instante sofrimento pungente reduçã