Covid-19 mata imortal paraense


Gengis Freire de Souza, fundador e Presidente da editora CEJUP, de Belém, morreu dia 19 deste mês. A editora nasceu em 1979 e depois transformou-se em Cultural Brasil. Pela primeira, o editor deste blog publicou Memória Talvez Precoces, em 1995. Já em 2019, Sete Mentiras Capitais. Os originais da novela Guardador de Vidas, do mesmo autor, seria lançado este ano. Daqui, a solidariedade à família de Gengis, contemporâneo de José Seráfico no Curso de Direito da UFPA. Gengis pertencia à Academia Paraense de Letras.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Justa reverência

Denominar o prédio em que se instalou a Faculdade de Artes da UFAM de Maestro Nivaldo Santiago era o mínimo que o velho professor merecia. Fez-se justiça a ele, cujos serviços profissionais engrandece

Zona Franca posta em questão

Promovida pelo grupo de pesquisas Ilhargas, do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais da UFAM, uma discussão sobre a zona franca de Manaus será realizada hoje. Reunindo interessados no tem