Constituição e vazamentos

A torcida raramente pensa com alguma racionalidade. Ela prefere, sempre, ganhar, mesmo se o gol é feito com a mão. Por isso, ferir a Constituição em proveito próprio é tolerado, estimulado e executado. É bem o caso da prisão sem coisa tramitada em julgado e do vazamento seletivo. Vale para o que dele se beneficie; é condenável, se beneficia o outro lado. Repete nota que postei faz dias: os que praticam crimes de que não gosto, melhor seria estarem (ou serem, não é?) mortos. E viva os bandidos com os quais simpatizo!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais um capítulo amazônico

Durante a sessão de abertura do Encontro anual do Ano Acadêmico Paulo Freire, pelo Núcleo de Estudos de Administração e Pensamento Social - ABRAS/UFF, será instalado o Capítulo Amazônia, integrado por

Hora do pega pra...

Por mais que o Presidente e o Relator da CPI da covid-19 desejem e mesmo tentem, difícil será manter a tranquilidade, quando sabemos que a marca de 500 mil cadáveres se aproxima. Nem todos têm consciê

Pensamento não morre

Há vinte e quatro anos, em outro 02 de maio, deixava-nos Paulo Freire. Doze anos depois, foi embora Augusto Boal. O pensamento e a ação de ambos, dignificantes e justificativas da nem sempre provada s