Conservadores e sua definição


É indiscutível a devolução temporária da cidadania que o Bolsa Família do governo Lula proporcionou a milhões de brasileiros. Integração e ampliação de benefício monetário criado pela mulher do Presidente Fernando Henrique Cardoso, o programa de Luís Inácio Lula da Silva despertou apaixonada adesão, ao mesmo tempo fundadas reservas. Nem todos os que apoiaram a compensação dada aos mais pobres se deixaram levar pelo entusiasmo sem limites. Desde o primeiro momento, defendi o Bolsa Família, se a ele estivesse intimamente ligada política que assegurasse a manutenção dos beneficiados a trabalho que lhes rendesse salário mínimo justo, capaz, portanto, de cumprir o mandamento constitucional: suficiente para garantir sobrevivência digna ao trabalhador. Este, sabe-se, ainda hoje está anos-luz distante de consumar-se. Ao contrário, a gradativa perda da proteção social que deveria ter sido ampliada encarregou-se de confirmar as suspeitas de sua inconsistência. Ao invés de os beneficiários renunciarem à bolsa porque acharam lugar no mercado de trabalho, grande parte deles voltou à situação anterior. Isso impediu uma espécie de renovação dessa clientela, o que só ocorreria se em torno da Bolsa outras decisões de caráter – essas, sim! – efetivamente sociais (não apenas políticas e eleiçoeiras) a acompanhassem. Não foi o que se viu, como a realidade o demonstra. O resultado aí está. Mesmo sem apoio em pesquisas criteriosas e estudos profundos, arrisco apostar que dentre os muitos que um dia foram às ruas defender Lula hoje têm, igual conduta em favor de Jair Bolsonaro. A fome, ontem e hoje, jamais foi a melhor conselheira. Sem matá-la, no entanto, difícil fazer qualquer outra coisa. Com frequência, o pulso deixa de pulsar, como diz em certa canção o compositor e cantor Arnaldo Antunes. O peso de uma bandeira, tenha ela as cores que tenha, sempre será menor que o peso imposto pela fome a quem por ela é afetada. Com uma agravante para o atual Presidente: no tempo de Lula, a conjuntura internacional favorecia práticas resistentes à desigualdade, mesmo sem eficácia na liquidação da iniqua distribuição da riqueza. Agora, até a pandemia ajuda a quem a deseja manter intacta – os conservadores, por definição.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.