Como na Ciência

O objeto mais importante deste fim de ano é o celular do ex-Secretário Geral da Presidência, Gustavo Bebbiano. Após as divergências com o Presidente, causa de sua defenestração do posto, correu solta a notícia de que o aparelho móvel daquela autoridade havia sido entregue a um guardião, residente no exterior. Assim, o conteúdo certamente comprometedor do telefone seria preservado. Se a vida do ex-auxiliar presidencial não pode ser devolvida, a política de destruição ora vigente incluiria dentre seus produtos a imagem e a posição de importantes protagonistas da encenação republicana. Quando o mínimo de bom senso e de justiça determinam a aproximação sucessiva (e como os militares sabem o que é isso!), o pequeno aparelho eletrônico que Gustavo Bebbiano usava reassume função de grande importância. A advogada com a qual o morto era casado agora declara que o telefone foi destruído. Não foi isso o que disse o suplente do senador Flávio Bolsonaro, o zero-à-esquerda 1, logo após romper com o titular. É do empresário Paulo Marinho a informação de que o telefone celular de Bebbiano está em outro país, quem sabe esperando a hora de entrar em cena. Se a Justiça e a Polícia (primeiro esta) tiverem o mínimo de consciência e interesse no que a sociedade espera delas - e por isso lhes paga os salários - , o telefone móvel do ex-Secretário Geral é tão importante quanto reabrir as investigações sobre um tal Adélio Rosário e o Queiroz. Além de muitos outros, como todos supõem. Sem suposições, também se sabe, nenhuma investigação é feita. Mesmo na Ciência, que as chama de hipóteses.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as