Como a roda

Não cito números, pela fartura de informações sobre eles. Na verdade, de tão colhidos e registrados, percorrem o mundo e chegam até as mais longínquas regiões do Planeta. Os órgãos de comunicação de massa brasileiros, porém, só agora se dão conta deles e de sua mais clara constatação: somos dos países mais desiguais do mundo. Cresce a riqueza de cada dia menos pessoas, enquanto se espalha e aprofunda a pobreza de quase todas. Para os media, é como se a roda tivesse sido criada ontem. Sequer há reflexão sobre o papel de cada cidadão e cada meio de comunicação, para manter o status quo. Dos governantes, já nem se fale. Nenhum deles, todavia, está onde está, se não pelo voto.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sem zona

Proposta do Prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL) assegurou renda básica de R$ 450,00 aos vulneráveis, durante a pandemia. A decisão teria sido unânime, se uma das vereadoras não tivesse tido p

Trágica parceria

Tinha assento no falecido CDES-Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República, quando a proposta de criar parcerias público-privadas estava sob os holofotes. Boa coisa, pre

Comparação

Aos fissurados por números, talvez valha comparar. Cuba, com pouco mais de 11 milhões de habitantes, registra menos de 20 mil casos (0,19% da população) de covid-19, dos quais morreram 180 (0,9% dos

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.