Cidadania precificada

Vejo com suspeita a defesa do voto facultativo, insinuado por ninguém menos que o Presidente do Superior Tribunal Eleitoral. Em entrevista de autoelogio do Ministro Luís Roberto Barroso percebi certo tiro de largada de corrida que pode nos entregar definitiva e legalmente aos investidores eleitorais. A leniência com que são tratados os financiadores privados de campanhas eleitorais parece não bastar. É preciso, portanto, deixar que tudo se resolva no balcão. A cidadania vendida a preço módico. Já é assim, poderá ficar pior...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O coringa desastrado (?)

Migrante ministerial, o réu confesso Ônix Lorenzoni troca de pasta como quem troca de roupa. Perece certo ministro da ditadura, pau para toda obra. Com uma vantagem sobre o pretenso candidato ao gover

Sem Roma, nem Romano

Perde o Brasil um dos seus intelectuais mais lúcidos, com a morte do filósofo Roberto Romano. Professor da UNICAMP, Romano deixa a memória de um cidadão preocupado com a ética necessária às relações h