Centenário de "Os sertões"*

· Professora Vânia Pimentel, mui digna chefe do Departamento de Língua e Literatura Portuguesa da Universidade do Amazonas;

· Prezados Palestrantes;

· Prezado coordenador;

· Prezados participantes:

Poucos brasileiros terão sido tão precisos em sua observação sobre a realidade natural e social do País, quanto Euclides da Cunha. Sua obra mais reverenciada e traduzida, “Os Sertões”, constitui mais que o exercício de indesmentível pendor literário. O romance também não é simples relato da mais desigual das contendas fratricidas ocorridas em território brasileiro. Lá está, sobretudo, a capacidade de observar de um ser humano, dotado de excelente acuidade, física e intelectual, para ver onde outros não viam, ouvir sons que a outros passavam despercebidos, julgar onde muitos costumam preferir manter-se ignorantes. Não bastassem a Euclides essas virtudes, vem a enorme contribuição oferecida ao conhecimento do País e de sua gente. Melhor que eu, mostrarão isso e deleitarão vocês, nestas duas tardes, os palestrantes e coordenadores convidados. Fomos buscá-los onde está o mais representativo e expressivo conhecimento a respeito da obra que agora festeja seu primeiro centenário de edição. Com efeito, a presença de Tenório Telles, Renan Freitas Pinto, Maria do Socorro Oliveira, Orange Feitosa, Robério Braga e José Ribamar Mitoso assegura antecipadamente o êxito deste seminário. Quisera poder fugir às responsabilidades profissionais que me levam para fora do Estado ! Poderia, assim, participar fisicamente com vocês do deleite que as palestras e comentários certamente proporcionarão. Mas, não sendo possível, resta-me agradecer à presteza com que a professrora Vânia Pimentel e o professor Tenório Telles logo emprestaram apoio à iniciativa. Agradeço, também, a compreensão que se traduz na colaboração prezarosa que os palestrantes e coordenadores ofereceram, desde a primeira vez em que foram consultados. Ao Banco do Brasil e ao Carrefour, parceiros decisivos neste cometimento, não há como deixar de manifestar nosso agradecimento, pleno da expectativa de tê-los, permanentemente, como aliados em atividades como a destas duas tardes. Finalmente, expresso minha certeza de que o centenário de edição de “Os Sertões” não cairá no esquecimento, menos por esta singela reunião, mas sobretudo porque, nos anos sucessivos, mais amploes e enriquecedores serão os atos destinados a marcar na memória de toda a sociedade amazonense a contribuição que Euclides da Cunha deu à percepção dos mais diversos aspectos de nossa realidade – paradoxal, instigante, mas sempre exigente do nosso compromisso e da nossa decisão de fazê-la diferente.

Abraço-os fraternalmente, cumprimentando-os pela participação e mais uma vez agradecendo a colaboração emprestada. Sem ela, nada seria possível fazer.

Obrigado.

Manaus, 07 de dezembro de 2002.

Prof. José da Silva Seráfico de Assis Carvalho


_________________________________________________________________________________

* Mensagem do Diretor-Executivo da Fundação Djalma Batista

na abertura do Seminário comemorativo do centenário de edição de “Os Sertões”

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Impacto de um livro

A leitura de um livro sempre gera efeitos sobre o leitor. De tal sorte que só por desinteresse ou insensibilidade ele vê o Mundo da mesma forma, depois de lê-lo. No meu caso, sempre que a obra tem imp

Dignidade

O culto à tortura tem sido uma das marcas do Presidente da República. Há quem veja na reiteração da perversão tornada conhecida quanto ele era deputado, simples estratégia. Suas declarações serviriam

Da votação aberta e da democracia

Manaus, 25 de abril de 2003. De: Manuel S. Lima Editor de Política do Jornal Diário do Amazonas Ao Cientista político José Seráfico 1) Qual é a sua avaliação sobre o fim do voto secreto, já aprovado n

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.