top of page

Cego em tiroteio

O deputado Eli Borges (PL-TO) denuncia e pede providências do Executivo contra o membro do CDES, empresário Wilson Ramos Filho. O ato denunciado, segundo

o parlamentar paulista, líder da bancada evangélica, foi a postagem de nota em uma das redes sociais do empresário, que também ostenta um diploma de vistoso título acadêmico, pós-doutor. A nota considera má a maioria dos que se autointitulam evangélicos, a despeito de muitas de suas palavras e ações manterem enorme distância das palavras e práticas ensinadas pelo pregador e andarilho da Galiléia. Foi quanto bastou para atiçar a fúria punitiva do deputado tocantinense, logo repercutida por seu notório colega Marco Feliciano, um correligionário de São Paulo. Este, parecendo ignorar as funções do chamado Conselhão, suas relações com o Presidente da República e a forma de composição daquele coletivo, pede que o Executivo puna o conselheiro. Considerando a legenda a que é filiado, os valores (ou a falta de) que o orientam e orientam seus correligionários e as práticas de boa parte dos praticantes, especialmente pastores das várias denominações e seitas estabelecidas, vê-se ratificado o propósito buscado pelo parlamentar do Tocantins. Ele e seu numeroso grupo não desejam se não manter-se e fortalecer-se no poder, de preferência à margem do escrutínio da sociedade e dos cidadãos. Custa crer que o deputado Eli Borges e seu colega Marcos Feliciano não saibam para que servem conselheiros. E, no caso do Conselhão, como são designados seus membros. Os deputados parecem cegos em tiroteio. Nem no Ensaio sobre a cegueira Saramago logrou ilustrar com tamanha nitidez a situação que o dito popular sintetiza.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Prioridades

Pelo menos não se pode acusar o governador Eduardo Leite de insincero. É possível que nele se tenha manifestado o que meu velho e saudoso mestre de Direito Penal Aldebaro Klautau chamava oasis de honr

Pedagogia da porrada

A aprovação das chamadas escolas cívico-militares, pela Assembleia Legislativa de São Paulo deixou sua marca e, ao mesmo tempo, um presságio. Deu para ver cassetetes empunhados por policiais militares

Naufrágio semTitanic

É mais rápida a disseminação da mentira, comparada à divulgação da verdade. Ainda mais, quando o avanço tecnológico coloca à disposição dos mentirosos meios que asseguram, concomitantemente, anonimato

Comments


bottom of page