Cautela ou vergonha

Foi dito que certo governante, acossado por forças inimigas, sentiu-se fraco demais para evitar a queda iminente. Então, engendrou estratégia de retirada que não fosse tão apressada, para não parecer uma fuga, nem tão lenta que favorecesse sua captura. É esse o caso da Folha de São Paulo, ao comentar a independência do Banco Central. Entoando o coro dos que desejam manter o Estado paralelo que o Banco Central reivindica, matéria sem autoria, por isso sendo justo atribuir-lhe o caráter de opinião do jornal, tergiversa. Primeiro, apoia a desvinculação do BC da supervisão governamental e da sociedade. Deseja mandato com prazo fixo para os dirigentes, como o deseja o mercado senhor de todas as coisas e gentes. Depois, aponta certas ocorrências favorecidas exatamente pela liberdade absoluta dos rentistas. Para, no final, ratificar a preferência pela autonomia plena. Com uma só restrição: não é esse, hoje, o tema principal de debate. Ou seja, a autonomia é boa e desejável, mas inoportuna. Está-se por saber se se trata de opção ditada pela cautela ou pela vergonha de fazer o mal, sabendo-o assim.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sobrecarga de trabalho

Imagino a sobrecarga de trabalho a que serão submetidos os servidores do Ministério das Relações Exteriores. Mais avancem as investigações da CPI da covid-19, mais será necessário reter passaportes. N

Confusão tola

As novas tecnologias da informação que na percepção de Marshall Mac-Luhan transformaram o mundo em uma aldeia global, nem sempre têm sido vistas com a seriedade necessária. Talvez aí esteja uma das ra

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu