Bravatas contra a saúde do povo

Irresponsável, despropositado como toda bravata, o anúncio feito pelo governador João Doria sobre a vacinação em seu Estado insulta a cidadania. Revela, mais uma vez, a imposição de interesses particulares àqueles da população que o tem como governante. Tentando marcar posição antecipada na eleição presidencial de 2022, o autoproclamado apolítico que exsuda política por suas axilas comporta-se como os animais ditos inferiores - que com suas exsudações marcam território na floresta em que vivem. Não pode ser outro o objetivo, quando aquela liderança do PSDB desafia a ANVISA, já de si perturbada pela ação dos que se apoderaram do Ministério da Saúde. As palavras do governador de São Paulo se abatem não contra os atuais mandantes do MS, porque atingem a um so tempo a própria Agência e os que a integram e não apenas por curto período de uma gestão. As missões institucionais da ANVISA e a credibilidade ao longo de décadas conquistada pelos profissionais de seu quadro permanente exigem firme repúdio aos ataques e às pedras atiradas pelo governador. Mesmo os mais ferrenhos adversários deste (des)governo instalado no Planalto hão de perceber a que se destinam o desafio, o desrespeito e o ataque de Doria. Nenhum cidadão de boa fé, possuído de propósitos benfazejos e preocupado com seus concidadãos desejaria ver-se vacinado por imunizante alheio à manifestação da autoridade competente, no caso a Agência Nacional de Vigilância em Saúde. Admita-se frequentar a mente do chefe do Executivo paulista a hipótese de sabotagem determinada à ANVISA, relativamente ao processo de autorização para uso da vacina produzida pela Sinovac e adquirida pelo Instituto Butantan. Ainda assim, não seria o caso de investir contra a agência, pelo mal que causaria tanto à própria instituição, quanto à população. Revela-se, outrotanto, a vocação autoritária do pessedebista, mais próxima das motivações de seus supostos opositores.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as