Bolsonarismo institucional e Estado de exceção

Marcelo Seráfico

A coincidência entre ações da PF e do MPF e os desdobramentos da CPI, é algo mais do que meramente eventos de mesma espécie ocorrendo simultaneamente.

A PF e o MPF, assim como parte expressiva das Forças Armadas e das forças policiais, PM e PC, são instituições bolsonarizadas. Elas agem dentro da estratégia política de Bolsonaro. Seguem, portanto, os vais-e-vens da popularidade do governante, operando como sopro de vento na labareda do bolsonarismo.

Essa função agitadora conferida por Bolsonaro e assumida pelas instituições que deveriam fiscalizar e controlar, também, o seu governo, tende a se ampliar, dadas as revelações da CPI e o agravamento da crise política, econômica e social do país.

Bolsonaro não governa o Brasil. Destrói o país em nome de interesses múltiplos. Manter-se no poder implica dispor de apoio que transcenda os beneficiários de seus atos - dentro e fora do Estado, e alcance parte dos que, mesmo vitimizados, foram forjados pela brutalidade crua de seu mito ou adocicada dos pastores de dividendos.

Dizer isso não é o mesmo que absolver governadores, prefeitos e empresários que tenham cometido crimes ao longo da pandemia. Significa apenas reconhecer que as práticas moristas continuam em ação nas instituições estatais. Isto é, objetivamente, avança o Estado de exceção.

A absolvição de Pazuello é uma prova cabal da profundidade do comprometimento das forças armadas com o genocídio, com a necropolítica e com a repressão de tudo que não seja igual ao que os que nos governam desejam.

Trata-se de um quadro de difícil reversão dentro da ordem, pois parte substantiva do judiciário e do legislativo também está articulada a essa conspiração anti-popular.

No Brasil de hoje, tudo é possível!!

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

uma cerejeira e uma saudade*

em julho, quando o mês finda há uma data charmosa que já foi linda e segue teimosa há também uma cerejeira que floresce certeira que a saudade desvanece elas chegam sempre no espaço da espera no vazio

VIVA A BARBÁRIE

Bernardo Carvalho, FSP- 14-06-2021 Numa entrevista recente ao jornal Libération, em resposta a uma pergunta sobre o confinamento na pandemia, o lendário diretor de teatro inglês Peter Brook, 95, relem