Benchimol relembrado


Mais de meio século depois, a economia do Amazonas ameaça voltar ao que um dia já foi. Além de produzir riqueza e entesouramento e aprofundar a desigualdade, multiplicou e alastrou os problemas que enfrentávamos antes de 1967. Mais que isso, produziram-se manifestos, memoriais, títulos de cidadania e medalhas a valer, e excepcional esvaziamento do interior. A recusa em diversificar a produção e inovar, muitas vezes escondida em proclamações tonitruantes de amor à região, empurrou-nos para a situação atual. As perdas econômicas causadas pela pandemia da covid-19, se ensejam declarações baseadas em evidências que não se concretizam, não indicam uma só ideia capaz de superar o que o velho e respeitado professor Samuel Benchimol chamou de monocultura industrial. Não se vê, no horizonte próximo, qualquer indício de diversificação, expansão e acréscimo aos segmentos industriais existentes. Todos choram o leite derramado, rezam aos céus para que um milagre nos salve e afaste do retorno ao porto de lenha, sem que se sinta qualquer som ou acorde que nos desperte da letargia. Torrinho e Aldísio sabem fazer melhor.

A queda do PIM (este nome a única alteração no “modelo”, de quê?), comparados os meses de março de 2019 com o deste ano, alcançou 46,8%. Abril trouxe resultado ainda pior: menos 52,9%. É certo que só dois Estados apresentam resultado favorável, o Pará (4,9%) e Goiás (2,3%), comparados os meses de abril e março. A queda nacional registra 18,8% para o mesmo período. O desempenho do PIM só foi pior em 2002, segundo as próprias entidades de classe ligadas ao setor industrial.

Enquanto isso, o Tribunal de Contas da União revela o que chama sangria dos cofres públicos. A hemorragia apontada menciona alcançar R$ 384 bilhões a soma dos incentivos e isenções fiscais concedidos, estimados 26% do PIB. Boa dica para saber quais são os beneficiários vem da comparação entre a desoneração sobre a cesta básica (R$32,30 bilhões) e os favores financeiros e creditícios concedidos: R$ 40 bilhões.

E ainda se ouve uma retórica que não pode ser mais que um equívoco, para não lhe atribuir outro adjetivo. Estão todos otimistas. É isso o que se lê nos jornais.

Convenhamos, à falta de qualquer cultura, é melhor mantermos monocultura como a que o saudoso mestre Samuel denunciava. Ou não?


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pensamento e Arte na Amazônia

Começam hoje, a partir de Manaus, os trabalhos do I Encontro Internacional da rede ABRAS, realizado em concomitância com o XII Encontro de Administração e Pensamento Social Brasileiro e IX Encuentro d

Uma semana bastaria

Dizem os livros sagrados que o Universo foi criado em sete dias. Raros os objetivos alcançados em tão curto período de tempo, ainda mais se dependentes do esforço de humanos. Os deuses jamais serão al

Tragédia anunciada

Ao fim do primeiro dia de trabalho da CPI da Covid-19, a colheita dos senadores já traz resultados que seriam surpreendentes, se não atribuíveis a quem os produz. A Comissão recebeu uma carta firmada