Barro comum

A leitura dos jornais diários e de outros periódicos e a audiência aos programas de rádio e televisão colocam-nos diante de uma realidade a um só tempo instigante e nauseante. Há momentos em que se imagina estar enredados na teia de insuportável pesadelo. A comemoração dos feitos da tecnologia, o exagero desmesurado desses festejos consagra outros deuses e os coloca em outros púlpitos e templos, a subordinar todos os pensamentos e gestos humanos. Mesmo se é frequente a ameaça de cada vez mais tornar-se tudo o inverso do que chamamos humanidade. Nas ruas, sob o pretexto de reivindicar seja lá o que for, misturam-se pessoas de bem e pessoas com bens; crianças, jovens e velhos; gente honesta, proba, austera e ladravazes, corruptos e exploradores do sangue e das esperanças coletivas. Qual hienas atentas aos outros animais que se prestam a presas, depois sabe-se estarem tais exemplares da anti-humanidade ali apenas à espera de pôr sobre os outros as patas predadoras. Para depois abandonar a cena, sob o riso cínico e perverso, enquanto agonizam os corpos inertes das vítimas - e suas esperanças.

É assim que vejo o cenário político brasileiro, e cada dia mais fortalecida tão surreal imagem.

Tanto fizemos para que um dia este país desfrutasse de um clima democrático e fruísse os bons resultados que somente a liberdade assegura, que nos recusamos a admitir ter chegado ao ponto em que hoje nos encontramos. À sombra da liberdade conquistada, ao invés de prosseguirmos a caminhada em direção à igualdade e à fraternidade que pensávamos conquistar, o que vemos? O proveito que a própria democracia oferece aos que buscam destruí-la. A tolerância levada a níveis inimagináveis, concorrendo para reforçar e aprofundar práticas que muitos pretextam combater. A agressão a preceitos constitucionais indispensáveis ao mínimo de convivência civilizada entre seres humanos. Pretensos vestais e catões, à semelhança dos gatos-ladrões deixam de fora os rabos que acabarão por ser descobertos. Instala-se, então, a porfia entre diversas categorias de delinquentes, nada mais. Nem menos.

Mesmo quando a liberdade a a democracia despertam ódio e fúria, os que mais se esforçam por revogá-las em nada são diferentes dos outros. E tudo revela a triste verdade, talvez a púnica, talvez a mais triste: o barro de que todos são feitos é o mesmo. Mesmas são suas motivações.



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.