Balbúrdia da boa

Enquanto médicos e cientistas dedicam-se ao tratamento de infectados pela covid-19 e à busca da vacina salvadora, as instituições de ensino superior públicas desdenham das ofensas produzidas nos gabinetes da ignorância e do ódio. Fazem-no, graças ao que aprenderam da Ciência e dos valores baseados em culto à vida, não à morte. Para professores, pesquisadores, técnicos e auxiliares das IFES pouco importa estarem desobrigados da frequência ao ambiente acadêmico. Mais vale manter seu compromisso com a saúde e a educação dos seres que, chamados semelhantes frequentemente têm essa condição desrespeitada. Não fosse assim, e tivessem como prioridade a exploração do trabalho alheio e os olhos fixos no movimento das bolsas, não seriam mais – nem menos – que aliados dos necrófilos da política. Isso torna possível mostrar, através da Associação Nacional dos Dirigentes de Institutos Federais de Educação Superior a expressiva contribuição ao combate à pandemia. Em maio, eram 853 os projetos de pesquisa sobre a covid-19, em execução; hoje, chegaram a 1.260, um acréscimo de 47% registrado no período de menos de dois meses. Somam 2.502 os leitos em unidades universitárias de saúde, sendo 656 deles montados em UTIs. As parcerias mantidas com Municípios (255) e Estados (112) têm levado serviços especializados às populações não apenas das capitais, mas do interior do País. Produziram-se, já, mais de 250 mil protetores faciais, mais de 100 mil máscaras de pano, quase 30 mil pares de luvas, mais que 20 mil outros equipamentos de segurança e proteção individual, 6.600 aventais, 2.000 capuzes, 10 mil toucas, além de expressiva quantidade de sacos de lixo especiais, sondas nasotraqueais, mais de 1 milhão de litros de álcool em gel e 1.000 litros de álcool líquido.

As informações divulgadas pela ANDIFES mostram o tipo de balbúrdia que ocupa professores e pesquisadores, técnicos e auxiliares nos estabelecimentos onde pessoas tomadas pela ignorância e hostis à vida e à Ciência veem fantasmas.

Basta que se deixe quem aprendeu nas escolas o que lhes foi ensinado trabalhar em paz, para oferecer aos problemas soluções que a ignorância e o ódio jamais alcançarão.

Déssemos à educação o prestígio necessário ao seu exercício criterioso, puséssemos na cabeça dos governantes o que eles não aprenderam (ou não tinham como fazê-lo, à falta de inteligência e discernimento), quem sabe a pandemia entre nós não acabaria por tornar-se uma gripezinha?!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.