Até que enfim!

Data da metade do século XX a denúncia de Arthur César Ferreira Reis: as grandes potências cobiçam as riquezas da Amazônia. Além de certo Centro Nacional de Defesa da Amazônia- CDDA, não me lembro de outra iniciativa que atendesse à denúncia e dispensasse consideração efetiva às preocupações do (depois) governador do Amazonas. Por isso, agrada-me saber que Belém do Pará (onde conheci Arthur Reis) sediará evento ligado ao tema. Promovido pela Academia de Ciências e Letras Jurídicas do Amazonas, Instituto Sílvio Meira (meu professor de Direito Romano) - Academia Jurídica, e Academia Paraense de Letras Jurídicas, o I Simpósio de Direito Amazônico debaterá o tema "A Amazônia e a cobiça internacional". O simpósio começará dia 8 e irá até 11 deste mês, no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Pará.

O CDDA publicava o periódico A Amazônia Brasileira em Foco. No nº 7 da revista (junho de 1972, pp.7-16), Arthur tratou das áreas desérticas de nossa região e do País. Oxalá todos os palestrantes, alguns dos quais meus professores ou amigos, o tenham lido. De Manaus, estarão presentes o ex-Senador e ex-Presidente da OAB-Nacional, Bernardo Cabral; o advogado e articulista Júlio Antônio Lopes e o advogado Pedro Lucas Lindoso.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade