Arroz nada doce

Baião-de-dois era comida de pobre. Rico prefere bem-elaborados risotos. De preferência, sem sequer lembrar o eventual gosto do arroz. Pois também para inventar, reinventar e modificar comidas tem servido a pandemia. Só ainda não foi inventado algo que mantenha a lei do mercado e ao mesmo tempo evite a fome. Nem Chicago, nem Berkley, nem Harvard, nem Yale conseguiram chegar a uma boa receita. Não me refiro a outro tipo de receita, mas à prescrição. Da primeira há quem entenda muito, sem faltar-lhes à mesa o risoto de trufas negras.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sem Roma, nem Romano

Perde o Brasil um dos seus intelectuais mais lúcidos, com a morte do filósofo Roberto Romano. Professor da UNICAMP, Romano deixa a memória de um cidadão preocupado com a ética necessária às relações h

Reprise

Até que enfim, o mensalão petista entrou em cartaz. Trazido em reprise, com sede no Ministério da Saúde e sua logística, já tem divulgados até o nome dos beneficiários. Ricardo Barros, mencionado pelo

Pobres e ricos

Quem ainda tenha dúvidas sobre a insensibilidade das elites brasileiras, tente encontrar as declarações do dono das Lojas Riachuelo. Flávio Rocha, expoente do Partido chamado Republicanos, joga-se ago