Arroz nada doce

Baião-de-dois era comida de pobre. Rico prefere bem-elaborados risotos. De preferência, sem sequer lembrar o eventual gosto do arroz. Pois também para inventar, reinventar e modificar comidas tem servido a pandemia. Só ainda não foi inventado algo que mantenha a lei do mercado e ao mesmo tempo evite a fome. Nem Chicago, nem Berkley, nem Harvard, nem Yale conseguiram chegar a uma boa receita. Não me refiro a outro tipo de receita, mas à prescrição. Da primeira há quem entenda muito, sem faltar-lhes à mesa o risoto de trufas negras.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Onde andam?

Antes, perguntava-se por Fabrício Queiroz. Até o braço direito do Presidente da República ser encontrado na casa do advogado Richard Wasseff, em Atibaia. Desapareceu agora, o General-Ministro Augusto

Pranto pela Amazônia e por Manaus

Do consagrado poeta João de Jesus Paes Loureiro, o visitante encontrará em ESPAÇO ABERTO a manifestação do professor paraense sobre a tragédia por que passamos. O título desta nota é o mesmo que ele d

Não combinam

Qualquer manifestação de talento irrita os ignorantes. Não fosse assim, a memória do poeta João Cabral de Melo Neto seria poupada da infâmia contra ela desferida, pelo Presidente da República. O gesto

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.