Arroz nada doce

Baião-de-dois era comida de pobre. Rico prefere bem-elaborados risotos. De preferência, sem sequer lembrar o eventual gosto do arroz. Pois também para inventar, reinventar e modificar comidas tem servido a pandemia. Só ainda não foi inventado algo que mantenha a lei do mercado e ao mesmo tempo evite a fome. Nem Chicago, nem Berkley, nem Harvard, nem Yale conseguiram chegar a uma boa receita. Não me refiro a outro tipo de receita, mas à prescrição. Da primeira há quem entenda muito, sem faltar-lhes à mesa o risoto de trufas negras.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais um capítulo amazônico

Durante a sessão de abertura do Encontro anual do Ano Acadêmico Paulo Freire, pelo Núcleo de Estudos de Administração e Pensamento Social - ABRAS/UFF, será instalado o Capítulo Amazônia, integrado por

Hora do pega pra...

Por mais que o Presidente e o Relator da CPI da covid-19 desejem e mesmo tentem, difícil será manter a tranquilidade, quando sabemos que a marca de 500 mil cadáveres se aproxima. Nem todos têm consciê

Pensamento não morre

Há vinte e quatro anos, em outro 02 de maio, deixava-nos Paulo Freire. Doze anos depois, foi embora Augusto Boal. O pensamento e a ação de ambos, dignificantes e justificativas da nem sempre provada s