top of page

Arma invisível

O fato não surpreende

a consciência não o permite

tão conhecido

o objetivo

no máximo, tênue

suspeita

seríamos absorvidos

por outro cogumelo

como o foram

os de Nagasaki e Hiroshima

os despelados como a

menina do Vietnam

na palma de nossa mão

cigana nenhuma leria

nem as baratas esperariam

para sorrir sozinhas

eis que a natureza

explicada na sua

secreta verdade

coloca dentro da nossa casa

faz conviver conosco

um não-ser

insidioso torpe invisível

alimentado pela desigualdade

beneficiário do preconceito

do ódio da ignorância

a percorrer mudo

terras oceanos montanhas

ares

espalhando a morte

a mesma que Opennheimer

não previra

e no entanto

chegou

cogumelo indiferente

ao olhar mais aguçado

à sensibilidade mais

apurada

ao instinto perverso

pensado como apanágio

dos mais ferozes animais

não fosse o homem

o de maior talento

a mão há muito deixou de afagar

apedrejar é mais fácil

a boca já não beija

escarrar é preciso

faz tempo os tempos

não são augustos

nem existem anjos restantes

no que resta

no verso e no reverso

de nossa mais interior

intimidade.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desperdício

José Seráfico Não se admirem se alguém disser que isso é normal nem se surpreendam com a indiferença diante de tanto mal o que se tem feito à infância às velhas e velhos às mulheres aos negros promoçã

Quando e onde

Quantos serão os mortos? Onde explodirá a próxima bomba? Quando? Quantos se juntarão às centenas de milhares o vírus armado de natural letalidade cumprindo parte da tarefa a que outros (vírus ou verme

Porvir anunciado

Quero comer todo dia sonho com vida feliz o direito de sorrir é isso o que o povo diz e vê no que está por vir quando janeiro surgir De Porto Alegre, Florianópolis, dos Pampas, de Curitiba do Acre e d

Коментарі


bottom of page