Arma invisível

O fato não surpreende

a consciência não o permite

tão conhecido

o objetivo

no máximo, tênue

suspeita

seríamos absorvidos

por outro cogumelo

como o foram

os de Nagasaki e Hiroshima

os despelados como a

menina do Vietnam

na palma de nossa mão

cigana nenhuma leria

nem as baratas esperariam

para sorrir sozinhas

eis que a natureza

explicada na sua

secreta verdade

coloca dentro da nossa casa

faz conviver conosco

um não-ser

insidioso torpe invisível

alimentado pela desigualdade

beneficiário do preconceito

do ódio da ignorância

a percorrer mudo

terras oceanos montanhas

ares

espalhando a morte

a mesma que Opennheimer

não previra

e no entanto

chegou

cogumelo indiferente

ao olhar mais aguçado

à sensibilidade mais

apurada

ao instinto perverso

pensado como apanágio

dos mais ferozes animais

não fosse o homem

o de maior talento

a mão há muito deixou de afagar

apedrejar é mais fácil

a boca já não beija

escarrar é preciso

faz tempo os tempos

não são augustos

nem existem anjos restantes

no que resta

no verso e no reverso

de nossa mais interior

intimidade.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quantos 100 cabem em 670 mil? será sempre preciso fazer contas em contagens e vantagens conferidas se de morte se trata ou de poemas quantos darão conta dessas vidas? Quais os que viram sorrateiro e z

Da morte e dos seus tipos As cargas são diferentes talvez Caronte não o saiba nem saber lhe interessa não faltarão valquírias sedutoras à satisfação do Cérbero faminto Jet-sky não transporta cadáveres

Permanecem no ar ruídos e sentimentos deixados na cara de um negro sobre tapetes vermelhos tingidos da cor por pouco não liberada de um rosto agredido uma piada mal posta sendo a luva que armou a mão