Aprendizado, memória, amor

O menino não tinha mais que quatro anos. Filho de uma doméstica e um funcionário público, cuidava dele um médico particular. Era tempo em que o servidor público desfrutava, primeiro do respeito e do prestígio dos concidadãos. Isso assegurava aos pais da categoria propiciar assistência médica à família por clínico particular. Nem era tão extensa a rede de prestação de serviços médicos oficial. Mesmo assim, o menino precisava frequentemente de atenção dos profissionais de saúde. Numa delas, o assistente habitual recusou-se a atender a criança enferma. Véspera do dia de São João, o médico não fugiria ao programa anual: participar de festa na casa de amigos, levando com ele a mulher e os filhos. Que o pequeno paciente esperasse. No dia seguinte seria visitado. A não ser pelo discípulo de Hipócrates, as coisas aconteceram diferente. Os pais chamaram outro médico para atender o filho doente. Nunca mais o antigo, competente e respeitado profissional entrou na casa daquela família. O outro deu conta do recado. O menino hoje beira os oitenta anos e vez por outra faz outras pessoas conhecerem algum pedaço de sua vida. Como este texto revela. Encanecido, ele desde muito cedo aprendeu como o cuidado inoportuno pode matar. Também quanto o amor encontra solução para problema que se pensa insolúvel. E como a memória ajuda a entender o presente e o que dele pode advir.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as