Aprendizado

Faz tempo não se via no Brasil reação tão vigorosa e pronta, quanto a motivada pela proclamação de fé nazista do ex-Secretário de Cultura, Rodrigo Alvim. Não é que somente ele siga a cartilha de Goebells e seu chefe, Adolph Hitler. Iguais a ele, muitos outros da mesma espécie ocupam cargos de destaque na estrutura político-administrativa do País. Muito menos se deve esperar desses, se não que contenham as palavras agressivas e prepotentes dos que têm os mesmos ídolos e cultivam valores semelhantes. Isso não basta, por si mesmo, para assegurar não venham deles decisões e condutas fundadas nos valores e crenças cultuados e professados. Tanto já testemunhamos palavras e ações distantes umas das outras, que sempre será bom desconfiar.

Não obstante, há muito o que ser aprendido, do episódio e das circunstâncias em torno da exoneração de Alvim. A primeira lição reside na possibilidade de conter o voluntarismo característico da personalidade de algum governante. Basta reagir com altaneria respeitosa, rigor democrático e firmeza contundente a tudo quanto pareça comprometer o clima democrático que há mais de três décadas vimos experimentando. Insere-se nessa lição a manifestação clara e inconteste de instituições e personalidades indignadas com o comportamento do ex-Secretário. O STF, a OAB, a Câmara dos Deputados, o Senado Federal, a comunidade judaica, o governo alemão e outros representantes não deixaram passar a oportunidade e revelaram seu desprezo pela ofensa ao processo democrático.

Além disso, o segundo ponto da lição revelou a necessidade de a autoridade presidencial sentir-se obrigada a exonerar servidor na véspera entusiasticamente por ela mesma aplaudida. Pode ser pouco, mas vai demonstrando quão lesivo é para a democracia, o País e o povo deixar que a permissividade leve à reprodução de condutas malsãs. E quanto o voluntarismo pode ser estancado, impedindo o autoritarismo de impor-se aos interesses da sociedade.

Não há de ter sido muito fácil para o Presidente Jair Bolsonaro engolir o que dissera menos de 24 horas antes, em relação ao ex-subordinado. De qualquer maneira, a exoneração de Rodrigo Alvim pode se constituir em ato inaugural de nova fase nas relações do Presidente com a sociedade brasileira. Basta que ele entenda estar obrigado a submeter-se aos ditames constitucionais, e que vivemos num Estado democrático de Direito. Exigir dele que se comporte como um democrata é dever de todo brasileiro. Obter sua completa submissão à Constituição e seu respeito aos direitos humanos, no entanto, depende sobretudo dele. Há, contudo, a suspeita de que ele sabe dispor a mesma Constituição sobre a qual pôs a mão em juramento, dos remédios que a democracia provê.




3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O galho de cada um

Há quem diga não ser a vida mais que um espetáculo teatral, pelo que ela, apresentando-os, representa os sentimentos e inspirações que justificam a conduta dos membros da sociedade. Dizem os comportam

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Onde estão os amantes da vida?

Em meio à tragédia generalizada, Manaus ganha destaque nos media. Aos escândalos ligados à aquisição de equipamentos médicos necessários e medicamentos ineficazes, que governos estaduais e o federal t

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.