Aparências


O orçamento do Estado do Amazonas para 2021 reserva quase 50% dos recursos para educação, saúde e segurança. À primeira vista, tal montante corresponderia às mais urgentes necessidades da população amazonense. Afinal, os problemas dessas três funções, de tão aparentes, geram situações impossíveis de esconder. Dizem disso a falta de leitos nos hospitais, de medicamentos nos postos e ambulatórios, de médicos e professores, em geral mal remunerados, além da violência generalizada. Ir além dessas simples e exemplificativas menções seria pôr chuva no molhado. A inclusão das funções, categorias e rubricas, seja qual o percentual alcançado, contudo, não basta. Orçamentos anteriores levaram (ou se dizia terem levado) em conta essa mesma realidade. A cada acréscimo, a comemoração dos beneficiários diretos e dos que, imaginando-se destinatários dos benefícios (e enquanto os aguardavam), acreditavam ter melhoradas suas condições de vida. Muito dinheiro e muita esperança, desafortunadamente, mostraram sua incapacidade de produzir feliz casamento. A realidade só se tem mostrado mais grave, em grande medida porque o modo de ver e resolver os problemas guarda anos-luz de distância em relação às carências da população. Adquirem-se veículos, móveis, equipamentos, materiais os mais diversos; constroem-se e se reformam prédios e instalações; criam-se cargos, preenchem-se-nos às vezes sem remuneração justa; com menor frequência, atribuem-se abonos irrisórios, para não pagar salários justos e merecidos. Sobre esses eventos, o noticiário é rico, triunfalista, cotidiano. O mercado sente-se aquecido, enquanto o morador de rua suporta o vento e a chuva da madrugada. O paciente usa de toda sua paciência, para ser informado de que voltará dias mais tarde, quando o equipamento for reparado. O estudante não teve aula, porque choveu dentro da sala onde ele e dezenas de colegas esperavam o professor. Este, metido em um ônibus, esperava chegar o transporte coletivo que substituiria o primeiro, quebrado em pleno percurso. Avaliássemos o desempenho orçamentário pelos resultados, talvez os números dissessem mais sobre a realidade. Mais e melhor...







0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Na linha de tiro

Cresce a literatura sobre o infausto período histórico de que somos protagonistas e pacientes. Têm-se posto em questão fenômenos relacionados sobretudo à fragilização da democracia. Pouco a pouco, sen

Menu da babugem ou da xepa

Confesso minha dificuldade em atribuir algum adjetivo suficientemente justo para qualificar o desqualificado sinistro da Economia. Ele não é o único nesse governo a reunir desqualidades tão agressivas

Estreitam-se os caminhos

Os que propalam situar-se no centro ou na centro-direita do espectro político começam a perder as esperanças de constituir o que chamam terceira via. A expressão vem sendo usada para identificar os qu