Aos amigos... e também aos outros

Chamem-me, por favor

de esquerdopata!

não titubeiem, ao chamar-me

com presumível generosidade

de esquerdista

pelo menos desta vez

estarão aproximando-se

uma vez que seja

da verdade.


Usem os adjetivos a que

rendem reverência

com uma e exclusiva

solicitação:

tudo quanto disserem

há de qualificar minha preferência

pelos pobres, os sofredores

os que têm fome

os perseguidos porque pensam

e sabem dizê-lo

os que não desdenham da Ciência

os que à morte

preferem a Vida.


Peço-lhes, porém

jamais me chamar

de genocida.

Outros têm feito

por merece-lo

não é a presença deles

que me conforta

como a ninguém confortará

se não for pedir demais

somem ao meu

mesmo se lhes custa

encontrar dentro de

si mesmos

o desprezo que lhes dedico


Nem lhes peço

porque ignoro

dediquem o mesmo asco

que meus sentimentos

nutrem pelos necrófilos




3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mitologia

Presos no labirinto pelos dedos de Dédalo negado encontramos Mefistófeles que o fizesse Teseu fez-se ausente todavia todo o tempo impossível tessitura não fosse a linha da vida Ariadne a tecelã entret

À brasileira, holocausto

Nossos olhos nem precisam ser azuis tez amorenada cara de índio caboclos é o que todos somos composição cromática ameríndios gestados nos trópicos empenhados em replicar sob o equador costumes hábitos

Trágica aliança

Oh, manhã que não amanhece sol preguiçoso escondido que não se deixa ver trombetas outrora altissonantes produtoras de sons apavorantes pavimento das horas derradeiras seguindo retos tortuosos às veze