Anseios divergentes

Talvez não tenha jamais passado pela cabeça (?) do capitão Jair Messias Bolsonaro ser mais fácil chegar aos objetivos, sem bombas explodindo em reservatórios e mananciais de água. Instalado em outro posto, tendo na mão uma caneta Bic não uma bomba, cercado de colegas tolerantes em demasia, tudo ficou mais fácil. Com uma vantagem adicional às que inspiraram o malogrado atentado. Neste, ainda que não se tenha qualquer número previsível de vítimas potenciais, 30 mil mortos não parecem número admissível. Matar tanta gente seria viável, tendo nas mãos armas adquiridas com o dinheiro de todos. Esta, segundo Bolsonaro, foi a grande frustração que a ditadura lhe ofereceu. A ocupação do principal gabinete do Planalto, portanto, ensejaria a desforra. Em proporções tais, que já matou quase 170 mil pessoas e permite estimar a matança de muitos mais. Das mortes registradas sabemos todos, menos pelo esforço das autoridades públicas, que pela constituição de um grupo de meios de comunicação privado. Não bastou isso, porém, para consumar a vingança do ex-capitão. É preciso perseguir tenazmente o objetivo que a leniência judiciária estimulou. Agora, multiplicando o trágico resultado, em futuro que ninguém arrisca limitar no tempo. Assim se traduz a reação do Presidente à decisão da ANVISA, suspendendo a pesquisa do Instituto Butantan associado a um laboratório chinês, Sinvac, em etapa avançada na criação de vacina para a covid-19. Em relação ao fato – a suspensão da pesquisa – nossos sábios da Economia podem encher a boca e dizer, há efeitos para a frente e para trás. Do alto da minha ignorância científica e econômica, resta-me a dúvida: pode-se chamar a isso genocídio? Os anseios da ANVISA e do Presidente parecem não coincidir.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ordem verbal

Os estudiosos da Psicologia são uns danados! Eles vão buscar no fundo mais profundo das pessoas a motivação de toda sorte de comportamento. Cada qual a seu modo e preferência, são eles os profissionai

O galho de cada um

Há quem diga não ser a vida mais que um espetáculo teatral, pelo que ela, apresentando-os, representa os sentimentos e inspirações que justificam a conduta dos membros da sociedade. Dizem os comportam

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.