Anne Frank - um diário sem autoria

Acabo de ler O diário de Anne Frank. Estamos em junho de 2016. Motivado pelos amigos Anne e Jaime Benchimol, dediquei-me à leitura de um dos clássicos da literatura de guerra. Neste caso, do conflito entre o Eixo Berlim-Roma-Tóquio contra os Aliados, os Estados Unidos e a Inglaterra na liderança destes. Não se despreze, contudo, a contribuição da então União Soviética e da França. A primeira, com a importante participação dos fatores climáticos; a outra, com a admirável resistência, de que os maquis dão o belo exemplo.

Símbolo de toda uma época, especialmente de período dos mais trágicos dos anos 30 (o fim destes) e 40 (nos cinco primeiros anos), a obra descreve em pormenores o sofrimento não apenas dos ocupantes do Anexo - como o (a) autor(a) chama as reduzidas dependências do sótão de um estabelecimento comercial, em Amsterdam, Holanda. Embora as personagens desse romance (mais tarde justificaremos a classificação) apareçam mais nitidamente na narrativa, importa observar o mundo exterior, para além do sótão.

Se, dentro daquele espaço da rua... um pequeno grupo de judeus procurava fugir à sanha dos nazistas, por toda parte da Europa soavam as bombas de um e do outro lado em conflito. Polônia, Holanda, Itália, França, Bulgária já estavam sob domínio alemão, mas a Inglaterra, a União Soviética e os Estados Unidos da América do Norte ainda resistiam às tropas de Hitler. Resistiam e traçavam planos para liquidar as pretensões do Eixo, ainda que para isso (não) fosse necessário lançar a bomba atômica. Os grandes testes precisavam ser feitos, bastava esperar a hora de usar a arma que a ciência e a tecnologia puseram nas mãos dos beligerantes do lado de cá. Afinal, " no amor e na guerra vale tudo", como o (a) autor (a) do romance escrito em forma epistolar o assevera.[i]

O leitor já se terá dado conta da dúvida que me faz atribuir a autoria a uma pessoa de que não conheço o sexo. E logo concluirá que não estou convencido de que se trata da menina de 13 anos tão celebrada. Nem sou o primeiro leitor a reagir dessa maneira, pouco elegante talvez, mas sobretudo cética. Ainda mais depois de saber dos acontecimentos que sobreviveram à morte de Anne e antecederam a publicação do livro a ela atribuído.

Talvez valha a pena fazer ligeira incursão nesse imbróglio.

[i] O diário de Anne Frank. Tradução de Ivanir Alves Calado. 20ª edição. Rio de Janeiro, RJ. BestBolso. 2013.p.28.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Impacto de um livro

A leitura de um livro sempre gera efeitos sobre o leitor. De tal sorte que só por desinteresse ou insensibilidade ele vê o Mundo da mesma forma, depois de lê-lo. No meu caso, sempre que a obra tem imp

Dignidade

O culto à tortura tem sido uma das marcas do Presidente da República. Há quem veja na reiteração da perversão tornada conhecida quanto ele era deputado, simples estratégia. Suas declarações serviriam

Da votação aberta e da democracia

Manaus, 25 de abril de 2003. De: Manuel S. Lima Editor de Política do Jornal Diário do Amazonas Ao Cientista político José Seráfico 1) Qual é a sua avaliação sobre o fim do voto secreto, já aprovado n

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.