Amor ao avesso


De surpresa não se fale. De loucura, muito menos. A nova manifestação do deputado Eduardo Bolsonaro apenas repete prática estimulada pelos que juram morrer de amor pela Pátria. Podem-se esperar, quando muito, poucas e tímidas reações, não necessariamente das fontes oficialmente obrigadas a comportamento austero e condizente com os foros de civilidade de que nos pensávamos portadores. Enquanto os pressurosos aplicadores de panos quentes tentam reduzir a gravidade das agressões à China e seu povo, outros protestam orientados pelo bolso, menos que pela cabeça ou o coração. Importa a estes, sobretudo, impedir a interrupção de suas rentáveis operações comerciais, tanta vezes confundidas com os anseios da maioria do povo brasileiro. Aquela parcela da população à qual só têm restado o tolo ufanismo cuidadosamente inculcado em sua mente. Os segmentos excluídos das extraordinárias vantagens auferidas em razão das exportações. Muitos deles, já agora ameaçados de terem reduzidos seus salários e ainda não cientes de quanto poderá impactar sobre eles a crise diplomática criada por ninguém menos que o Presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. Mais grave, ainda, um parlamentar em cujas veias flui em primeiro grau o sangue do Presidente da República. Nesse sentido, com a ajuda do próprio Embaixador do país agredido. A reação do diplomata oriental deixou-se trair pela emoção e mordeu a isca do provocador.

A manifestação do sinistro das Relações Exteriores do Brasil, de seu lado, apenas confirma o que a maioria dos brasileiros há muito constatou: trata-se de um profissional dos mais medíocres e subserviente dentre as centenas de diplomatas que passaram pelo Itamaraty. Não sou eu quem o diz, senão repercutindo o que é lugar comum na boca de influentes e competentes diplomatas instalados na Casa de Rio Branco.

Lembrar que um dia o parlamentar que zomba da instituição quase chega a ser nomeado representante diplomático do Brasil nos Estados Unidos da América do Norte, é dizer quanto se degradou a política nacional. Pior que tudo, sob o aplauso e o estímulo dos levianos e energúmenos. Não se pode descartar, apesar de tudo, que a aparente leviandade da mensagem do número dois deve servir a alguma causa, a algum – inconfessável – interesse. Amor nem sempre só com amor se paga.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.