Ambiente pesado

O ambiente anda pesado, mesmo. Em todos os sentidos e por vários motivos. Se tomamos o peso como falta de sorte ou má sorte, basta lembrar a figura chamada a sentar na cadeira do funcionário mais graduado. Melhor sorte merece o Ministério do Meio Ambiente, cuja preservação e defesa contabiliza algumas mortes, de que das mais emblemáticas são as do preservacionista Chico Mendes e da irmã Dorothy Stang. Embora suficientemente claro o objetivo do titular do MMA, quase diariamente ele dá motivos para a oposição que vem sofrendo, às vezes até de seus colegas, sinistros e ministros. Disso dão conta os encargos atribuídos ao vice-Presidente Hamilton Mourão, uma espécie de vice-rei da Amazônia. Muitas das atribuições do MMA passaram à coordenação direta do também vice-Presidência da República, o que esvazia o papel do titular da Pasta. Mesmo assim, este não perde a oportunidade, criada por ele mesmo ou não, de revelar quais seus verdadeiros interesses e propósitos. Enquanto vários ecossistemas são devastados pelo fogo, Ricardo responsabiliza a falta de saneamento e parece confundir os gases causadores do efeito-estufa com os gases produzidos pelo intestino das pessoas. Como se pessoas e vacas pudessem ser igualmente responsabilizados pelos prejuízos impostos à camada de ozônio. Vai ver, é isso mesmo e ninguém me avisou. Para o sinistro do meio ambiente parecem demasiado pesadas as responsabilidades do cargo, em contraste com a leveza de seus conhecimentos, propósitos e compromissos com a sociedade brasileira. O terceiro sentido, afinal, liga-se à impossibilidade de tratar adequadamente as questões ambientais, quando setores tidos e havidos como antiambientalistas já se manifestam sobre a necessidade de políticas de preservação. Paira sobre o ambiente (já aqui estão os gabinetes oficiais e órgãos ligados ao setor) um clima pesado, como nunca antes.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as