Alhos e bugalhos

Admitem-se equívocos, quando eles decorrem da boa fé de quem os comete. Diferentes são os que os praticam com pleno conhecimento de causa. Fingem-se de ignorantes para disseminar mentiras e delas tirar proveito. É o caso das fake news plantadas nas redes antissociais, sobre o cacique Raoni. Atribuem a ele falcatruas que teriam sido cometidas contra uma empresa britânica. As redes que ainda mantêm um resquício de dignidade, todavia, começam a desmascarar a fraude. Só os desonestos continuarão ignorando que Raoni é de um grupo tribal de Mato Grosso, não do Pará. E fará a distinção entre o velho cacique e Paiakan, o índio kalapalo que de fato manteve relações comerciais com os britânicos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade