top of page

AINDA SOBRE O AMOR E OS DESAFIOS DE QUEM QUER AMAR


Tenho uma relação boa com o amor. Dele construí barreiras contra a maldade. O desamor não me estressa, só fortalece o meu amor. O exemplo daquele não me faz mais sofrer, apenas respinga na minha alma e sinto suas gotas gélidas, sem vida e sem desejo.

Foi com amor que me fiz gente. Foi com amor que juntei uma plêiade de amigos e amigas, povo que amo de paixão. Foi com amor que realizei o eterno amor de ser pai. É com amor que amo com todo amor do meu coração o meu amor, minha mulher que me faz crescer no verbo amar.

É com amor que luto por justiça social e é por amor que sofro pelos 10 milhões de brasileiros que passam fome. Essa fome me respinga e tem nome assinado.

Não carrego ódio, pois precisaria tomar o coração do carrasco para guardar sentimento tão mesquinho; mas sei quem são meus inimigos: eles estão no poder. Sei quem promove o desamor e a maldade.

É com muito amor que guardo a esperança e a transformo em sonho e oxigênio. Meu amor é um amor pela humanidade e quem dela se afastar que padeça no sofrimento de não conhecer o verdadeiro significado de amar.

Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

‘Mesmo nos piores cenários há que se buscar beleza*

Roseana Murray, a escritora que venceu os cães ferozes, ensina a transformar a dor em poesia                                                        Mirian Goldenberg

Orlando homenageia Herbert Baldus

Entrevista Olá Orlando. É um prazer contar, novamente, com a sua participação na Revista do Livro da Scortecci. Do que trata o seu Livro? Homenagear o antropólogo teuto-brasileiro Herbert Baldus media

Comments


bottom of page