Ah, se fôssemos iguais!...

A tragédia ocorre em Brumadinho, levando no arrastão das águas, para sepultar na lama, vidas humanas às centenas. Em uma boate um choque elétrico choca mais que os duzentos e tantos seres humanos que lá buscavam divertir-se. País a dentro contam- se às centenas de milhares as covas abertas para receber os que um vírus, tão miserável e macabro quanto seus acólitos, produziu. Dessa rotina trágica não estão ausentes certos bípedes cuja aparência não consegue ocultar-se por completo. Talvez os mesmos que, fingindo sentimentos próximos dos atribuíveis aos seres humanos, amam os outros animais em grau maior que o dispensado aos que - mais uma vez, flagrante e infamante hipocrisia! - chamam semelhantes. Cães, gatos, porquinhos e outros irracionais ajudam a consumir riqueza material em muitos casos resultante de atos pouco louváveis, quando - e se - não são ostensiva e indubitavelmente criminosos. Ah, pudéssemos todos ser tratados como cães, gatos e porquinhos!...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O brasileiro comum mal se reconhece nele mesmo. Por muito tempo iludido quanto à imagem de cordialidade e disposição para o entendimento, bastaram-lhe menos de quatro anos para ver-se de modo diferent

Todo ano, a mesma coisa. Todos sabem da subida das águas e dos sofrimentos impostos aos habitantes da maioria das cidades amazônicas. As cenas emitidas pelas redes de televisão ganham o Mundo e estarr

Conhecedor precário do fenômeno, vejo a polarização ser criticada sem encontrar algo capaz de levar à razoável compreensão das relações que o causam ou nele interferem pesadamente. A observação dos fa