Ah, o velho Chico!...

A zona franca de Manaus chegou aos 53 anos e não parece ter amadurecido. Pode ser até - e os fatos parecem confirmar a hipótese - que envelheceu antes. Qual a Januária de Chico Buarque de Holanda ou mesmo a Carolina, os maiores interessados ficaram todo esse tempo na janela, os olhos tristes dirigidos para o próprio umbigo e não viram o tempo passar. O mundo mudando e nada sendo mudado por aqui. A tecnologia renovando-se a cada dia, e a ideia fixa de manter um passado a que não é mais possível voltar. Quem acreditará, agora, que em pouco tempo (seis meses? um ano?: dois anos?...) será feito o que em mais de 50 não o foi?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

uma cerejeira e uma saudade*

em julho, quando o mês finda há uma data charmosa que já foi linda e segue teimosa há também uma cerejeira que floresce certeira que a saudade desvanece elas chegam sempre no espaço da espera no vazio

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Na linha de tiro

Cresce a literatura sobre o infausto período histórico de que somos protagonistas e pacientes. Têm-se posto em questão fenômenos relacionados sobretudo à fragilização da democracia. Pouco a pouco, sen