Agrado

A transferência de Adriano Queiroz para prisão domiciliar pode até ser ato de justiça e respeito à lei. Ainda que a comparação da comemoração de que participou, em hospital onde esteve internado, suscite dúvidas sobre seu real estado de saúde. Ele é portador de doença grave, um câncer. Por isso, justifica-se em princípio ser mandado para casa. A extensão desse direito à mulher dele, porém, leva à conclusão de que o crime compensa. Não cola o pretexto de que a decisão considera necessários seus cuidados para com o marido. Duas, pelo menos, seriam as razões para negar-lhe o benefício: 1ª ela é foragida da Justiça; 2ª não é do conhecimento público a presença dela, no longo período em que o operador da rachadinha ficou no asilo montado por Wasserff, em Atibaia, desde que Queiroz chegou lá, voando ou pulando o muro, segundo a jornalista Andreia Sadi. Não seria demais imaginar que o concessor do benefício ao casal fez um agrado ao Presidente. Afinal, o STF é o sonho de quem ingressa na magistratura federal.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Sem mato e sem cachorro

Cassar sempre será mais fácil que caçar. Nesta, precisa-se ter cachorro (à falta dele, gato serve). Na outra, o verbo substitui com vantagem o substantivo: matar é diferente de manter a mata. O cão ne

Triste destino

Se não podes contra o poderoso alia-te a ele. Esse o roteiro seguido pelo ex-senhor da Lava Jato, desmoronado muito antes do que imaginaria a mais criativa mente. Não dando certo a fundação urdida com

Pandemia e endemia

Faz poucos dias, adverti para os resultados então incertos do segundo turno. Considerava àquela altura sem fundamento o triunfalismo de qualquer das forças em disputa. Também buscava conter a tendênci

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.